terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Cidadãos Privados de Literatura - Por Marcelino Rodriguez

O que vou escrever aqui, talvez você pense ser pouco importante, mas lamentavelmente a realidade aqui exposta afeta a vida de seus filhos e netos; gostaria, portanto, que esse fato lhe tocasse a ajudar a mudar o quadro da maneira como o livro e a leitura como hábito é negligenciado no Brasil e com isso, claro, também os escritores e
outros produtores de cultura.

Os brasileiros são cidadãos privados de literatura. Ou seja,
desconhecem as tradições básicas do pacto civilizatório. Além disso, apresentam desconhecimento quase que completo da inteligência simbólica e do próprio funcionamento do mundo social, revelando um comportamento primário, com fraca empatia humana, intolerância diante das diferenças, unilateralismo mental e pelo que se conversa no país e vemos no dia a dia, não se pode esperar criação de grandezas humanas.


Embora, é claro, existam sujeitos excepcionais aqui e ali, a massa do povo nasce, cresce e morre sem instrumental de cérebro para apreciar uma obra de profundidade média. Pior, os sujeitos excepcionais encontram um terreno muito pedregoso para vingar.

O homem comum não vê o intelectual como portador de algum tipo de riqueza ou diferencial.
Estamos falando de massas, não de exceções; com isso, com essa falta de cidadãos leitores, o subdesenvolvimento se mostra evidente em todo desconforto que sentimos em nosso dia a dia. A vida é banalizada e o “tudo que move é sagrado” não pode existir em mentes unilaterais.

A questão perante essa inoperância em formar cidadãos que despertem sensos humanos básicos (que fazem parte do ser humano) tais como empatia, imaginação, curiosidade e graça é : será uma condenação eterna do país, ter uma gente sem informação nem assunto ?
Será essa condenação eterna?
 

Somos agentes da história ou cidadãos inertes ?

Existe uma história muito tradicional do mundo da espiritualidade que Jesus vivia chamando um sujeito que estava em cima do muro, enquanto o diabo ficava quieto ouvindo seus ritmos. Jesus insistia em que o sujeito pulasse para seu lado, o diabo quieto.

Até que chega uma hora que o sujeito pergunta ao diabo porque ele também não o chamava.

– O muro é meu, meu caro.
 

Portanto, caro leitor, não existe meio termo entre luz e trevas; não
se pode agradar a dois senhores. Em vinte anos, entre 1980 a 2000,
teve mais homicídios no país que a maioria das guerras. Decerto, os
praticantes dessas mortes, ao menos noventa e cinco por cento deles, com toda certeza, não eram leitores.


Seu filho ou neto poderia ser uma das vítimas. A indiferença, no caso do Brasil, não favorece o bem e sim ao mal. Uma quantia incalculável de dinheiro e bem estar social se perde com um pouco subletrado.
Direitos Reservados



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e celebrada obra, aqui nos brinda com uma crônica contundente, falando a respeito do verdadeiro crime que é não valorizar o livro como fator civilizatório básico, no sistema educacional brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário