quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Crônicas da Autobio - Hippie Chic e Encapotado - Por Luiz Domingues



Aconteceu no tempo do Boca do Céu, em 1976...


Sabe aquela clássica cena da Árvore de Natal estilizada como se vivêssemos tal data sob o frio rigoroso do inverno europeu ?
Pois é, a síndrome do brasileiro tropical em querer imitar signos naturais que não correspondem a nossa realidade geográfica, estigmatizou-se em diversos aspectos da nossa cultura. Se nos estados do sul ainda dá para ter um gostinho de inverno parecido minimamente com o rigor europeu, a verdade é que na maior parte do território de Pindorama, o calor abrasador é que embala o nosso natal, em pleno verão tropical. São Paulo era considerado um estado da região sul, mas a geopolítica mudou num dado momento da história quando nosso estado foi retirado dessa região e passou a ser considerado da região “sudeste”. Não cabe esmiuçar aqui os aspectos pró e contra de tal mudança forçada pelas autoridades federais, mas psicologicamente, digo que o sentimento paulista foi sempre o de sentir-se sulista, em muitos aspectos e aqui, o que importa neste relato é falar sobre a nossa condição climática e o efeito cultural que isso trouxe-nos, principalmente abordando os paulistanos, pois como é sabido, as cidades interioranas do nosso estado, são tradicionalmente muito quentes.
E pensando que por séculos, antes dos eventos causados pelo fenômeno do “El Niño” e do surgimento da imensa selva de pedra em que a cidade transformou-se, o clima típico da cidade de São Paulo era de frio na maior parte do ano, com garoa forte toda noite e com direito a névoas, sentíamo-nos mais próximos da realidade de Londres do que das paisagens tropicais típicas do litoral brasileiro.

Portanto, aliado às tradições culturais múltiplas que recebíamos dos europeus (e reforçado pelo fato da cidade ser um celeiro de imigrantes, com colônias espalhadas pelos bairros da cidade), quando o cinema passou a influenciar-nos ainda mais fortemente, isso acentuou-se. Passadas mais algumas décadas e o Rock também passou a impressionar-nos com contundência e assim, vendo os filmes e fotos, víamos que os Rockers muitas vezes usavam roupas pesadas de inverno, o normal para o padrão dos europeus e americanos, preservando o calor do corpo e consequentemente da sua saúde, mas para o nosso imaginário, o aspecto da moda inerente que isso causava, saltava-nos aos olhos. Rockers usando roupas de couro na década de cinquenta, dava-lhes um aspecto de elegância inerente, é verdade. Depois vieram os "Mods" britânicos e sua elegância em terninhos de tweed etc etc.
Quando a Era hippie chegou, a explosão total de cores mergulhou-nos num caleidoscópio de infindáveis possibilidades visuais, as mais atrativas, e quando o inverno apertava para os Rockers do meridiano norte, os casacões estilosos surgiam, usando até capotes militares (alguns exagerando e usando fardas “vintage” de séculos passados), ou vestimentas de peles, aludindo a moda da Idade Média, fora a influência brutal de culturas exóticas do oriente, notadamente da Índia. Portanto, nessa transição entre o fim dos anos sessenta e início dos setenta, acostumamo-nos a ver filmes e fotos de bandas de Rock, com vestimentas pesadas de inverno, super estilosas, o que convencionou-se no mundo da moda a ser designado como um estilo “Hippie Chic”. Dessa forma, ali no início e na metade da década de setenta, era o padrão que gostávamos e queríamos seguir, driblando as adversidades climáticas que não favoreciam-nos, exatamente por estar fora dos nossos padrões.
Eu e muitos amigos queríamos usar casacões o tempo todo e mesmo em dias que não eram exatamente gelados, embora naquela época, ainda existisse garoa diária em São Paulo e o outono e inverno fossem bem rigorosos, ao menos para os nossos padrões.

O primeiro vocalista da minha primeira banda, o “Boca do Céu”, era um desses que usava diariamente um casaco pesado e bem bonito, mas nem sempre necessário, e dessa maneira chamava a atenção por isso. Bernardo, conhecido como “Janjão” entre todos na escola que frequentávamos, era mais um desses jovens Rockers que queria seguir tal padrão, mas que no Brasil, infelizmente para nós que gostamos do frio intenso, não era possível ser usado por muito tempo...
Eu também tinha um desses, que aliás não era meu, mas do meu pai. Um “sobretudo” de lã, preto, muito estiloso, daqueles que via-se aos montes em filmes franceses. Meu pai comprara-o na década de cinquenta e o usou muito. Quando tornei-me adolescente e coube nele, passei a pegá-lo emprestado para usar nas noites frias e sentir-me elegante na porta de shows de Rock que frequentava

Vendo que eu gostava dele, meu pai doou-me ainda nos anos setenta e tal casaco acompanhou-me até meados dos anos 2000, quando já não havia mais jeito que o alfaiate pudesse dar para reformá-lo. Nunca conformei-me com modismos posteriores, acintosamente propostos para afrontar e destruir ícones sessenta-setentistas. Entre outras coisas, abomino bermudas, as quais considero anti-Rock, mas fazer o que ?!... essa mania impregnou-se nas gerações posteriores.
Sou do tempo em que o Rock era luxo e não lixo, simples assim... 

8 comentários:

  1. Chiquérrimo!!!!! Depois daquela camisa de veludo cristal verde garrafa que eu vi vc usar, consigo imaginar tudo que descreve acima...Bjusss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que gostou da crônica !

      Torço para que esses tempos de associar o Rock ao lixo, passem. Está demorando décadas para passar, eu sei, mas sou otimista e creio que isso um dia acabe...

      Rock é veludo, falou tudo !!

      Grato por ler e manifestar-se !!

      Excluir
  2. Prezado Luiz:

    Gosto muito dos seus textos, apesar de não "ter" tanto tempo quanto gostaria para ler tudo o que me interessa.

    O fato é que, durante muito tempo eu também procurei "copiar" a moda contida nas fotos e filmes das bandas, usei caças boca-de-sino bacarai.....adotei o visual mais punk/rockabilly nos anos 80........e, claro, tive "jacos" de couro........cabelo comprido...
    E a moda "rock" sempre foi estilosa, chic, vide as páginas da revista "Pop", quer era o nosso guia nos anos 70!
    E agora, em pleno século XXI bate uma vontade de me vestir assim, rocker ao pé da letra!
    Valew pelo texto Luiz, já era seu fâ como músico, agora também sou fã de seus textos.
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que prazer ler um comentário com tanto poder opinativo, enriquecendo o debate em torno desta crônica.

      De fato, minha crônica, mais do que meramente saudosista, critica a mudança de rumos na mentalidade que o Rock adotou, certamente afastando-o do seu élan cultural mais avantajado.

      Voltar a associar o Rock aos valores de antigamente, não é apenas um esforço saudosista de ocasião, provocado por um modismo, mas sim um esforço para recuperar o fio da meada perdido, indevidamente.

      Bato nessa tecla, o Rock foi jogado no lixo, mas ele não é o seu habitat natural, e muito pelo contrário, nada tem a ver com isso. Portanto, recuperar sua real condição, é nossa meta.

      Sobre o que falou dos meus textos, não sei como agradecer-lhe. É muito prazeroso e estimulante saber que tal faceta minha esteja sendo apreciada, além da música, onde sou mais conhecido.

      Meu muito obrigado pelas suas palavras de incentivo !!

      Este Blog, aliás, todos os meus Blogs, estão à sua disposição. Fico muito contente e honrado com sua visita.

      Grande abraço, Gil !!

      Excluir
    2. Bicho, eu e todos os rockers old school (não só estes, mas TODOS) é que agradecemos seus textos e sua musica.

      O ROCK deve ter seu lugar garantido sempre na cultura em todo o planeta, já que seu alcance é mundial!

      O conteúdo, musical e lírico fala a muitos e a todos, não somente aos iniciados.

      E o estilo de vida permite que sejamos jovens ad eternum, sem a famigerada síndrome de Peter Pan.

      Que os volumes sejam altos e que a festa recomece!

      LONG LIVE ROCK AND ROLL!

      Excluir
    3. Adorei as suas colocações, Gil !

      De fato, o Rock tem forte poder rejuvenescente. Manter-se nessa energia e atitude, nos mantém jovens, eternamente.

      Manteremos então o nosso laço com tal elixir !!

      E mais uma vez grato pelo prestígio inestimável que oferece-me, acompanhando com esse entusiasmo os meus agitos musicais e literários !!

      Rock on !!

      Excluir
  3. Todos nos ja vivemos a epoca do modismo,
    mas com a maturidade descobrimos que somos muito mais que isso!
    Bjos
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que prazer ter sua presença em meu Blog, escritora Elyane Lacerdda !!

      De fato, o ser humano está acima de qualquer modismo,não tenho dúvida disso.

      Muito grato pela sua presença, com opinião !!

      Excluir