domingo, 21 de maio de 2017

Os Kurandeiros - 26/5/2017 - Sexta-Feira - 21 Hs. - Tchê Café - Vila Santa Catarina - São Paulo / SP


Os Kurandeiros

26 de maio de 2017 - Sexta-Feira - 21:00 Horas

Tchê Café

Avenida Washington Luiz, 5628

Vila Santa Catarina

Próximo ao Aeroporto de Congonhas

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

Os Kurandeiros - 21/5/2017 - Domingo - 19:30 Hs. - Fofinho Rock Bar - Belenzinho - São Paulo / SP

Os Kurandeiros

21 de maio de 2017 - Domingo - 19:30 Horas

Fofinho Rock Bar

Avenida Celso Garcia, 2728

Belenzinho

Estação Belém do Metrô

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Os Kurandeiros - 20/5/2017 - Sábado / 19 Hs. - Rockers Self Garage - Saúde - São Paulo / SP

Os Kurandeiros

20 de maio de 2017 - Sábado - 19 Horas

Rockers Self Garage

Rua General Chagas Santos, 607

Saúde

Estações Praça da Árvore & Saúde do Metrô

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Adaptabilidade - Por Telma Jábali Barretto

Diz uma de nossas ciências que sobrevivem somente aqueles com capacidade de adaptação e, esses, parecem ser os mais fortes na própria linguagem da vida... ainda, um filósofo afirma que aquilo que não nos mata, nos fortalece ! Vivendo num mundo tão rápido e mutante, poderíamos dizer que estamos sendo testados a ser mais fortes, quem sabe e até, mais seres humanos, heróis de si mesmos ?!...

Essa competência tira-nos de zonas de conforto, padrões rígidos, inflexíveis, ensinando-nos a fluir como água, líquidos, adquirindo, caso não exista, numa conspiração muito além de nós, habilidade, a ser aprendida para um viver que, talvez ?!..., traga mais colorido, dinamismo, propiciando nuances e sabores desconhecidos, não como uma proposta, necessariamente escolhida por nós, de desafios e aventuras, mas, ao que parece e sim, trazendo revolução ao contexto traçado que, em meio a metas e buscas, saibamos também respeitar, aceitar e ter alguma anuência no conciliar entre planos e diretrizes, acolhendo a também natural oxigenação, revigoradora e provável...?!...reveladora da singular expressão de cada um!
Muito parente da resiliência, essa adaptabilidade propõe amoldar-nos, sem trair conhecidas metas, num transitar entre o masculino e guerreiro, dentro de cada um de nós, e o feminino, também dentro de cada um de nós, que conhece o entender, sentir e absorver, fazendo-nos igualmente receptivos, além de corajosos, num tempero que parece, propiciador de fortalecimento! Essa nova inteireza, integralidade, unidade conquistada em nós, num bonito uso de ir além polarização que divide, pode levar a conhecer uma harmonização de opostos, num somar de fluxos que extraem mais beleza e transmutam dificuldades em ganhos e conquistas! Esse parece ser aquilo que estejamos sendo convidados individual e coletivamente não ?!...Difere bastante de radicalismos / força bruta versus subserviência/sobrevivência, cada vez mais distantes teórica, infelizmente, ainda tão presentes...por forças que em nós, pessoalmente, ainda reverberam e que  se refletem comunitariamente...

Chegar a um denominador comum,  onde sempre se ganha, mesmo e em meio a perdas e aparentes (des) apegos, conhecendo um tipo de abrir mão, concessões, conscientes que, também , isso acresce, agrega e engrandece, onde o caminho e trajetória vêm sendo percorridos num passo a passo de sutilização das percepções, aprendendo a tudo receber e agradecer numa fidelidade, que vai  muito além de amor próprio, autoafirmação, submetedora / despótica ou ameaçada/vítima, de ganha/perde dicotômico, mas num começar a enxergar, perceber e vislumbrar a experiência do existir dentro da magnitude do processo cósmico, que segue em sua abundância, oferecendo-se continuamente generosa, impessoal e equânime, testando-nos no desafio de sermos únicos dentro desse viver nessa multiplicidade mágica, abdicando de cartilhas obsoletas, confrontadoras, inaugurando olhar unificador, sempre vencedor, que aprecia levar-nos a ser quem somos, estimulador de despertar de outros ser quem são !!! E que assim seja em mim, assim seja em vc e que assim em nós !!! Amém...


Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog Luiz Domingues 2. Engenheira civil, é também uma experiente astróloga, consultora para harmonização de ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga. Nesta reflexão, fala-nos sobre a adaptabilidade, uma característica que anda em paralelo com a resiliência e a paciência e assim serve-nos como força a enfrentar os obstáculos da vida.

sábado, 29 de abril de 2017

Autobiografia na Música / Atualizações - Patrulha do Espaço - Capítulo 308 - Por Luiz Domingues

Após a minha participação como convidado de um show da Patrulha do Espaço, na condição de ex-componente, em junho de 2014, uma nova ocorrência com minha ex-banda apresentou-se no decorrer de 2016. Através de uma mensagem via "inbox" pela Rede Social Facebook, o Rolando Castello Junior disse-me que planejava lançar uma nova coletânea da banda e que nesse novo álbum, haveria a presença de mais algumas músicas da formação da qual fiz parte, algumas extraídas dos álbuns oficiais de estúdio que gravamos e outras decorrentes ainda daquele material que gravamos ao vivo numa temporada realizada no Centro Cultural São Paulo, em julho de 2004.

De fato, da gravação de três shows dessa mini temporada no CCSP em 2004, lançamos o disco "Capturados ao Vivo no CCSP em 2004" e anos mais tarde, o Junior lançou mais uma canção ao vivo dessa gravação / formação, num álbum híbrido, com material inédito e proveniente de uma formação mais moderna, em 2012, na condição de "Bonus Track", no caso, a canção "Rock com Roll".
Agora, a meta seria uma coletânea trazendo material da banda, tanto em faixas de estúdio quanto ao vivo, produzidas no pós ano 2000, como uma espécie de continuação da tetralogia "Dossiê Volumes 1; 2; 3 & 4, que fez um apanhado de toda a carreira da banda de 1980 a 2000, com exceção dos dois anos iniciais da banda (1977 / 1979), contendo os dois primeiros discos da fase com Arnaldo Baptista, suprimidos por conta de direitos autorais presos a uma gravadora / editora, irredutível em ceder tal material, uma pena.


Fiquei contente com a novidade, é claro, e mantive-me na expectativa de tal lançamento. Esse contato ocorreu por volta de abril de 2016. Mais ou menos em agosto do mesmo ano, o Junior abordou-me novamente, dizendo estar com o disco pronto e que gostaria de entregar-me um lote de CD's da minha cota pessoal de recordação e pedindo-me para ficar também o lote de Rodrigo Hid, com o qual marquei um café posteriormente, para entregar-lhe seu material. Pois foi assim então, na noite de 28 de agosto de 2016,  encontrei-me com o Junior e sua atual esposa e vocalista da Patrulha, Marta Benévolo, no saguão do hotel onde estavam hospedados, no bairro do Paraíso, zona sul de São Paulo. Ali, conversamos sobre os velhos tempos de nossa formação e mais detidamente sobre o lançamento dessa nova coletânea em questão.


Denominada "Aventuras Rockeiras no Século XXI", apresenta uma boa retrospectiva do que a Patrulha do Espaço produziu no novo século, englobando logicamente a formação "Chrophágica", da qual fiz parte e com espaço generoso na concepção do álbum, eu diria. Extraindo algumas canções de cada álbum, do CD Chronophagia para frente, incluso mais duas inéditas do mesmo bojo de canções gravadas para o disco ao vivo de 2004, nossa formação ocupa mais da metade dessa coletânea. Sobre o critério de escolha do material, o Junior disse-me ter decidido-se a priorizar mais os Rocks tradicionais e o Hard-Rock, já projetando para o futuro o lançamento de uma segunda parte dessa coletânea, desta feita centrada no material progressivo e psicodélico que a banda produziu e certamente, se confirmar tal lançamento, tende a ser mais um disco baseado na nossa formação, pois as formações que sucederam-nos, levaram a banda para um trabalho mais pesado, quase beirando o Heavy-Metal, doravante.

Sobre o nosso material, então, as escolhas foram as seguintes :
1) CD Chronophagia - "Ser", "Tudo Vai Mudar" e "Retomada";
2) CD ".ComPacto" - "São Paulo City"; "Louco um Pouco Zen" e "Homem Carbono";
3) CD "Missão na Área 13" - "Universo Conspirante"; "One Nighter"; "Rock com Roll"; "Vou Rolar"; "For Loonies Only" e "Trampolim";
4) CD "Capturados ao Vivo no CCSP em 2004" - "Sai Dessa Vida" e "Vampiros".

A respeito do material extraído dos álbuns de estúdio não há muito a acrescentar. Falo então sobre as duas canções que não entraram no álbum ao vivo gravado em 2004. Trata-se de duas músicas clássicas do repertório antigo da banda, oriundas da fase do trio dos anos 1980, Junior / Serginho / Dudu. Nota-se em ambas uma pegada setentista ainda ao sabor do Rock brasileiro daquela década e mesmo tendo sido gravadas no início dos anos oitenta pelo trio clássico citado, a intenção da banda ainda rezava por tal cartilha tradicionalista e portanto, quando gravadas pela nossa formação "Chronophágica", evidentemente que tiveram em nossa interpretação, a mesma intenção, naturalmente. 

Em "Sai Dessa Vida", impressiona o som de baixo nessa captura. O Fender Precision ronca forte ao extremo. O riff inicial em 7/4 fica naquele limiar entre o Hard e o Prog Rock. Solos muito vigorosos e uma interpretação vocal solo de Rodrigo com muita força. Junior arrebenta com a levada e as viradas.

Sobre "Vampiros", essa canção que é uma composição do saudoso Ivo Rodrigues, ex-guitarrista e vocalista das lendárias bandas paranaenses, "A Chave" e "Blindagem", o Rodrigo mais uma vez brilha no vocal solo. É bem verdade que o andamento está bem mais acelerado do que a gravação original de estúdio, mas creio que tal entusiasmo soa bem nessa versão ao vivo. Marcello e Rodrigo brilham nas guitarras e o meu baixo Fender Precision segue o padrão da faixa anterior, com uma timbragem aguda, ardida, alguns graus a mais do que eu normalmente equalizo no amplificador para shows ao vivo, mas certamente fruto da masterização do CD que deve ter realçado os agudos, sobremaneira. A parte do solo principal que foi feita desdobrada tem um belo arranjo, gosto muito da sincronia de guitarras e baixo. O Junior arrebenta, impressionante como até numa levada aparentemente tranquila, ele dá um jeito de torná-la sofisticada, com uma empolgação Rocker que só quem viveu os anos 1960 / 1970 sabe o que realmente significa. Os backing vocals são simples, mas aparecem com força. ao ouvir no headphone, minha voz está do lado direito e a do Marcello, no esquerdo.

Falando da concepção geral do CD, a masterização foi feita no estúdio Rocklab, em Goiânia / GO, sob a batuta do amigo, Gustavo Vasquez. Toda a parte de ilustrações ficou a cargo de Marta Benévolo e "Cerrado Goiano" e sinceramente não sei se este último trata-se de uma brincadeira, uma pessoa ou um espaço / estúdio onde foi feito o trabalho. As ilustrações aludem ao espaço / astronautas e motivações análogas. Na capa principal, vê-se um foguete de concepção "futurista" ao sabor dos anos cinquenta do século passado, encravado no solo de um planeta / asteroide e três astronautas do lado de fora, carregando baixo; guitarra & prato de bateria, usando roupas espaciais bem "retrô", parecendo uma ilustração de Comics / HQ dessa época, portanto, numa concepção muito bonita e lúdica ao mesmo tempo.


Na parte interna, são várias lâminas, apresentando o padrão típico das coletâneas produzidas pelo Rolando, com texto muito bem escrito ao explicar o teor do lançamento e situar o leitor / ouvinte na história enfocada da banda nesse período proposto; informações técnicas precisas sobre as canções; o disco em si; recheado de fotos das respectivas capas dos álbuns que cederam canções para a coletânea, e das formações da banda envolvidas nesse contexto. Produção geral e concepção de Rolando Castello Junior. 

Luiz Domingues & Rodrigo Hid em 31 de agosto de 2016, numa padaria da Vila Mariana, zona sul de São Paulo, ocasião em que além do café e da boa conversa, celebramos o lançamento da coletânea "Aventuras Rockeiras no Século XXI", da Patrulha do Espaço, na qual ambos estamos representados em várias faixas provenientes de nossa participação na formação "Chrophágica" dessa banda. "Self", acervo e cortesia de Rodrigo Hid

Alguns dias depois de receber tal material das mãos do Junior, marquei um café com o Rodrigo Hid e entreguei-lhe sua cota de CD's  desse lançamento. Assim, em 31 de agosto de 2016, encontramo-nos na padaria da esquina da minha rua e pudemos colocar a conversa em dia, e eu entregar-lhe o material.

Achei que o próximo reencontro com ex-companheiros da Patrulha do Espaço dar-se-ia em um ano aproximadamente, com o possível lançamento do segundo volume dessa coletânea que o Junior disse-me estar planejando produzir, mas na verdade, veio bem antes e com direito a um show de reunião histórico e emocionante para todos. E melhor ainda, abrindo outra oportunidade de um disco ao vivo a mais, gravado em pleno 2016... conto sobre essa aventura, logo mais.

Continua 

domingo, 23 de abril de 2017

Os Kurandeiros - 28/4/2017 - Sexta-Feira / 20:30 Hs. - Magnólia Music Bar - Lapa - São Paulo / SP




Os Kurandeiros

Participação da nova banda do guitarrista Fulvio Siciliano, Chlube Som, fazendo sua estreia + aniversário de Alexandre Rioli
                              
28 de abril de 2017 - Sexta-Feira  -  20:30 Hs.
                                    


Magnólia Music Villa Bar

Rua Marco Aurélio, 884

Lapa

São Paulo  -  SP

Os Kurandeiros:
Kim Kehl - Guitarra e Voz
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues – Baixo

sábado, 22 de abril de 2017

Os Kurandeiros - 23/4/2017 - Domingo / 19:30 Hs. - Fofinho Rock Bar - Belenzinho - São Paulo / SP



Os Kurandeiros




23 de abril de 2017  -  Domingo  -  19:30 Horas - Projeto Sunday Rock

Fofinho Rock Bar
Avenida Celso Garcia, 2728
Belenzinho
Estação Belém do Metrô
São Paulo  -  SP


Os Kurandeiros:
Kim Kehl - Guitarra e Voz
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues – Baixo

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Os Kurandeiros - 22/4/2017 - Sábado / 21 Hs. - Santa Sede Rock Bar - Tucuruvi - São Paulo / SP



Os Kurandeiros
                                      
                                      
22 de abril de 2017  -  Sábado  -  21 Horas


Santa Sede Rock Bar

Avenida Luiz Dumont Villares, 2104

Tucuruvi

Estação Parada Inglesa do Metrô

São Paulo  -  SP


Os Kurandeiros :

Kim Kehl - Guitarra e Voz
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues – Baixo