domingo, 15 de maio de 2016

Percebendo a Ordenação da Semana - Por Luiz Domingues



Demora para percebermos a lógica do tempo.


No início, em meio ao torpor daquela fase em que nem compreendemos o que somos enquanto unidade corpórea, o que nos dá uma pálida ideia sobre como funciona a vida, são signos adquiridos pela observação dos hábitos dos adultos.
Te acordam quando a luz do sol está proeminente, e te alimentam. Todos parecem apressados, afoitos, atarefados.


O sol vai a pino e a alimentação parece mais robusta, e com caráter formal, mais adultos sentam-se perto. 
Um dia você consegue verbalizar e significar que aquele ritual familiar se chama “almoço”.


A luminosidade ainda é clara, mas nitidamente tem outra matiz. As sombras mudam no quintal e outra refeição lhe é servida, mais frugal.
O calor arrefece-se, parece um período mais letárgico, como se os adultos estivessem perdendo a sua vitalidade. Demora para entendermos que é o fim da jornada de trabalho, e todos estão cansados pela labuta do dia.


Chega o período do escurecimento, e mesmo você já tendo absorvido que isso ocorre de forma cíclica, outros signos te fazem perceber haver nuances interessantes para cada momento.


Era a hora que o papai chegava em casa todo arrumadinho e falava comigo.  
Era um momento de extrema felicidade em minha ótica, pois inexplicavelmente quando acordava ele não estava em casa, como a mamãe que era sempre presente.


Demora para entender o andar do tempo, e a ordenação da sociedade.
Sem fazer sentido, havia dias que o papai estava em casa nos períodos claros, com sol quente no quintal. Parecia alegre e pronto para brincar; suas roupas eram mais alegres, sem a sisudez das vestimentas pesadas com as quais eu o via nos períodos escuros, e mais que isso, não muito alegre e disposto a interagir comigo, sob as trevas.


Mais signos : nos dias em que a família ficava junta nos períodos claros, havia muita música; risadas.

A vitrola, um móvel pomposo instalado na sala, tocava alto o dia inteiro. A TV, aquele tubo enorme onde eu via imagens difusas de pessoas e bichinhos, também funcionava a todo vapor...


Os aromas e sabores produzidos na cozinha, também pareciam variar conforme os períodos. Tudo tinha um significado e a cada dia, isso ficava mais claro, embora na percepção daquele instante, parecesse absurdamente lenta a compreensão disso tudo.
Nessa fase da vida, superada a constatação de que haviam períodos de momentos claros e escuros, uma percepção mais sofisticada me fazia entender que dentro dos períodos de luz e trevas, haviam outras ordenações, e eram múltiplas.


Signos externos os mais diversos faziam sentido e ajudavam a compor um mosaico de significados. Era como um jogo de quebra cabeças e as pequenas pecinhas, sem sentido se vistas de forma individual, precisavam ser encaixadas para fazer sentido maior.
Estava ficando cada dia mais interessante vivenciar esse montante de possibilidades.


E quanto mais compreendia, mais coisas tinham que ser aprendidas...viver era surpreendente.


Dia; hora; minuto; semana; fim de semana...tudo era novidade e tudo seria rotina, em breve.  

8 comentários:

  1. Muito bom, infância...lembranças muito boas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, essa série de crônicas está focada nessa memória remota, fazendo um paralelo com a visão do adulto e do bebê em seus primeiros tempos de vida e o início do aprendizado.

      Grato por ler e comentar, amigo Kim !!

      Excluir
  2. Oi, Luiz
    Não sabia do teu lado poético! Muito lindo o teu texto!
    Até lembrei da minha infância.
    Adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que maravilha que tenha apreciado, amiga Janete !

      Já é a terceira crônica que escrevo focando na memória remota do início da vida. Fiquei muito contente por saber que gostou do enfoque e do texto em si.

      Fiquei feliz por sua visita e comentário elogioso !!

      Excluir
  3. Que texto gostoso, com sabor de infância. Me veio tantas cenas na cabeça e a alegria que ficava quando descobria algo corriqueiro, como por exemplo: que um lado da rua há os números ímpares e do outro, os pares. Fiquei tão feliz com essa descoberta..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou muito contente por verificar que essa linha de crônicas que estou desenvolvendo, está proporcionando aos leitores a autoreflexão sobre o aprendizado primordial adquirido na tenra infância e que geralmente banalizamos, relegando-o ao esquecimento total.

      Relembrar esses fatos tão pueris e distantes é um reencontro com nossa própria história. Estou fazendo isso e me alegra ver que inspiro outras pessoas a fazer o mesmo.

      Super grato pela leitura e postagem de comentário rico !!

      Excluir
    2. Muito importante esse resgate de descobertas, essas lembranças, pois quando nos tornamos adultos, esquecemos de boa parte dos detalhes, de alguns sentimentos. Muitos adultos esquecem o que fizeram quando crianças e adolescentes e se tornam pais intolerantes. Se lembrarmos as alegrias, os medos, as inseguranças, as travessuras, que fizemos em cada fase de nosso desenvolvimento, podemos nos ver através dos filhos, dos sobrinhos, da criança do vizinho e nos tornar mais amigo, mais companheiro do que acusador ou reclamão.
      Suas crônicas são de um fundamento importante, que bom que compartilha conosco.

      Excluir
  4. Muito bom, amiga Jani !

    A grande questão é essa, não nos esquecermos de nossas lições aprendidas, mesmo na tenra infância, pois todas são importantes.

    Grato pelo elogio, que tomo por um grande incentivo a prosseguir.

    ResponderExcluir