sexta-feira, 4 de maio de 2018

Bébé Et La Musique - Por Luiz Domingues


Na primeira aula de um curso bem básico de iniciação musical infantil, um conceito um tanto quanto abstrato define o que é o assunto ali abordado e ensinado : “Música é a combinação agradável de sons, a unir melodia; harmonia & ritmo”. É o começo do entendimento do que realmente faz com que apreciemos a tal combinação dos pilares citados no aforismo clássico da teoria musical, mas a percepção de que os sons chamavam a nossa atenção, veio lá de trás, desde o começo de vida, quando ainda recém nascido, os sons percebidos ao redor, foram um importante meio para começar a interagir com o mundo.



Tirante as vozes humanas e os ruídos provocados pelos objetos em geral que cercam-nos no berço, a primeira e agradável percepção musical concreta com a qual lidamos, é o cantarolar do humano que lida diretamente conosco, a manipular-nos a fim de auxiliar-nos nas nossas necessidades básicas e geralmente é a mamãe. Percebemos então que aquela forma de comunicação é diferente dos demais ruídos emitidos pelos humanos adultos, a revelar-se algo mais agradável, doce, transmitindo uma ternura que obviamente não conseguimos entender adequadamente, mas causa-nos a sensação de tranquilidade  e consequente paz para mantermo-nos calmos no berço. À medida que crescemos mais um pouco e nossa percepção sofistica-se a cada dia, notamos que não são apenas os cânticos vocais diretos, mas a tal “agradável combinação de sons” soa pela casa. Música ecoa pelo ambiente caseiro e mesmo sem entender como e porque elas surgem e cessam, o importante é que a nossa percepção aguça-se com tal fenômeno e assim, está feita a conexão do pequeno humano em desenvolvimento, com a música e salvo raras exceções e tirante as pessoas com deficiências auditivas, essa conexão do bebê com a tal da “música” firma-se para todo o sempre.


Claro, nem toda canção agrada e levemos em consideração que volumes excessivos, mesmo quando da execução de uma música que apreciamos, pode incomodar e convenhamos, bebês geralmente irritam-se com a sensação de zoeira no ambiente, muito provavelmente por uma questão de medo, a interpretar o barulho em excesso como tensão e consequentemente isso deve gerar medo.
Mas no cômputo geral, claro que música é um recurso educacional muito salutar e fora todas as implicações motoras que os sons exercem no desenvolvimento, há também o aspecto energético com a profusão de notas musicais que geram vibrações positivas e também o início do processo de educação e estímulo cultural inerente, a usar-se o recurso da memória afetiva que forja-se e a depender do caso, tais primeiras melodias ouvidas e decoradas pelo bebê, tornam-se elementos afetivos que podem acompanhar a vida de uma pessoa, até a velhice e morte. Portanto, a contrariar o aforismo da teoria musical, música é muito mais que a agradável combinação de melodia; harmonia & ritmo.

4 comentários:

  1. A música sempre presente em nossas vidas, desde o berço...a vida sem a música seria um pouco sem graça, me lembro de quando era criança, dormia com o radio de pilhas em baixo do travesseiro RS...bela matéria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, amigo Kim !

      A música entre na nossa vida desde o berço, com contundência, e até na vida ultra interina, certamente. Rádio de pilhas debaixo do travesseiro também, passei por isso, a ouvir a Rádio Excelsior de São Paulo, a dita "Máquina do Som", nos anos 1960 e 1970...

      Grato pela leitura e elogio !

      Abraço !

      Excluir
  2. Eu ouvia muito a rádio Mundial " Big boy" em ritmos de boate haha..bons tempos musicais 😊👍🎶🎵🎸

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tremenda referência... ouvir o Big Boy "Hello Crazy People" nessa fase é algo que as crianças da atualidade não podem desfrutar... só coisas boas para ouvir-se.

      Excluir