terça-feira, 17 de abril de 2012

Algas - Por Julio Revoredo

Algas mesmerizam olhares dobrados sem curvas

Ora implexos

Ora vórtices soslaios, laivos de aquadutos.

Subterrâneos iluminados de absconsitudes e precipícios com leões em fogo e verdes esmeraldas de torpor.

Sóis na terra, luas no mar

Amalgamas a tentar

Trovões nos sonhos das sombras.

Enfim, articulo o denso voo, salto no escuro, reboo.

Por vezes, atalho, do espelho, baralho, de uma Alice natimorta, quase torta, fosmea e alquebrada,

Onde folhas, farfalham, algas que em giros, voltam-se e voltam e mesmerizam.






Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, é meu amigo desde 1982.

Nenhum comentário:

Postar um comentário