quinta-feira, 12 de junho de 2014

Primeira vez que vi um cadáver - Por Marcelino Rodriguez

Naquela idade, em que vi meu primeiro cadáver, acho que ainda nem roubava as moedinhas da minha mãe para comprar doce de amendoim.
 

Ainda bem que nunca tive vocação para roubar mais que o necessário.
 

Com vinte e poucos anos dei de ler o evangelho e a graça de Cristo
me redimiu de ser muito desonesto. Ainda hoje sinto dó da minha mãe, quando penso que eu roubava suas moedinhas de vinte centavos, que era mais ou menos quanto custava o doce de amendoim na venda.


Eu era viciado em doce de amendoim.
 

O que me leva a escrever, todavia, foi minha primeira experiência real com a morte, face a face.
 

Por um motivo qualquer, eu descera para comprar pão, ou algo assim; os dias naqueles primeiros anos eram bonitos e claros, em geral. 

Naquele tempo, só tocava nas rádios músicos de talento.
 


A mídia de massa ainda não tinha instaurado seu pesadelo sobre a terra.
 

Era, contudo, um dia fatal.

Oculto das minhas vistas, estava o morto. Era um velho vendedor de laranjas. Um comentário me chegou aos ouvidos, me dando conta do acontecido, "mataram o velho". 

A carroça estava virada, as laranjas espalhadas pelo chão. Eu via um sangue grosso e triste espalhado pelo asfalto. Minhas pernas ficaram tremulas. Havia encontrado a morte.

Uma voz na minha consciência de menino introvertido
sussurrava que "eles eram capazes de matar".
 

Eles eram os outros.

Fiz o contorno da multidão que se ajuntava ao redor da carroça, ainda abalado.
 

Segui em frente para cumprir minha missão.
 

Nesse dia, sai do paraíso, ao ver meu primeiro cadáver. E percebi
que haviam eles, os outros, os assassinos.






Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, aqui nos traz uma crônica forte, contando a história de um menino que pela primeira vez tem contato com a inevitabilidade da morte.

6 comentários:

  1. Putz...me lembrou uma amiga que me contou que, quando criança, morava no interior e ao brincar de esconde-esconde, perto de uma mata, encontrou um cadáver pendurado numa árvore, havia se enforcado...a sensação deve ter sido semelhante...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ver gente morta na tenra infância produz uma perturbação que dificilmente não repercute em trauma.

      Experiência terrível a da sua amiga.

      Grato por ler e comentar !

      Excluir
  2. A morte é inevitável, mas saber e ver um corpo que foi assassinado é terrível em qualquer fase da vida e para uma criança muito pior.
    Nessa fase da vida nosso contato com o "ceiifador sinistro"geralmente se dá com um animal de estimação que, lógico, é muito triste mas normal.
    O quê da questão se dá mais pela violência do que o fato, a morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida humana é deveras frágil.

      Estamos sujeitos a acidentes de toda a natureza, doenças e a violência urbana que fica cada dia mais brutal, portanto, a banalização da morte à nossa volta é assustadora.

      E se nada disso ocorrer, o curso natural da vida faz com que ainda crianças vejamos perdas de bisavós e avós, os tios dos pais e parentes em geral dessa faixa etária mais avançada ou seja, desde pequenos, convivemos com as perdas perto de nós e se não ocorrerem em profusão, fatalmente no contato social e escolar, veremos nossos coleguinhas passando por isso.

      Mas claro, daí a ver um corpo inerte, com pouca idade, é realmente um peso e tanto para uma cabecinha infantil.

      Grato por ler e comentar !

      Excluir
  3. Horrível ver um cadáver pela primeira vez, ainda criança!!!!
    Mas temos que nos acostumar com esta triste realidade, não podemos fugir, não há escolha!
    Bjus e ótima crônica!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, experiência terrível para uma criança. Nada é mais impressionante nessa faixa etária tão minúscula.

      Que legal que curtiu a crônica do Marcelino ! Fiquei muito contente com sua participação sempre entusiasmada.

      Abração, Elyane !

      Excluir