sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Minha Casa não era o Mundo Inteiro - Por Luiz Domingues





Quando se tem poucos meses de vida e salvo as crianças que não tem uma infraestrutura familiar adequada (isso é uma lástima, é claro), estamos entretidos em observar tudo e a todos, como óbvia curiosidade de quem busca o entendimento do que representa a nossa própria existência.


Se mal sabemos o que somos, mas apenas sentimos conforto e desconforto, aceitamos a ideia generalizada de que o mundo é aquele conjunto de cômodos por onde os adultos levam-nos o tempo todo e que demora um pouco para tomarmos consciência de que se chama “casa”.

Mas um dia você sai à rua e descobre que existem outros locais e tudo fica ainda mais confuso. Pessoas aos montes; trânsito; ruas; ruídos em frenesi.


Você sente-se seguro porque está sob a custódia daqueles adultos  gentis que agradam-lhe e esforçam-se para dirimir suas angústias prementes, mas é muito confuso ver tanta gente à sua volta e invariavelmente, estranhos. E indo além, assustador, também.
O mundo é bastante colorido, vendo as fachadas das construções, carros e as roupas das pessoas. E barulhento, também, certamente.


Seja lá o que faziam e eu tinha que estar junto, um sentimento nasceu dessas saídas para a extensão do mundo que eu desconhecia : quando voltava àqueles cômodos conhecidos, a sensação era boa demais.
Começou aí provavelmente a sensação prazerosa de associar o “Lar” ao seu porto seguro, lugar para onde sempre sentimos alegria em retornar, mesmo quando a jornada empreendida fora dele, tenha sido das mais satisfatórias.


Sim, o mundo era gigantesco e eu nem poderia concebê-lo ali naqueles primeiros meses de vida. E mesmo sendo estimulante sob vários aspectos, não suplantava em nada a sensação de prazer e segurança adquirida pelo costume de estar entre aqueles cômodos conhecidos, e acompanhados pelos rostos sempre sorridentes daqueles adultos que faziam tudo para resolver meus problemas e agradar-me. 


Simples assim... 

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Mas que legal que gostou ! Fico muito contente por isso.

      Grato por ler e comentar, amigo Kim !

      Excluir