quinta-feira, 7 de junho de 2012

Autobiografia na Música - Boca do Céu - Capítulo 9 - Por Luiz Domingues

Mas chegou a hora de contar sobre o nosso imbróglio com Ezequiel Neves, poucos dias depois de fazermos o nosso primeiro show.

Foi em fevereiro de 1977, que o “Made in Brazil” iniciou uma temporada de duas semanas no teatro Aquarius em São Paulo. Então o Laert propôs que fôssemos, e apresentássemo-nos ao Ezequiel Neves, e quem sabe assim ele não interessar-se-ia em ajudar-nos de fato, visto ter publicado meses antes, ainda em 1976, que era o nosso "padrinho"?
Essa dose de ousadia do Laert era muito salutar, mas contrastava com nossa ingenuidade juvenil, pois era óbvio que o Ezequiel não houvera levado a sério esse suposto "apadrinhamento". Eu e o Laert chegamos decididos à porta do teatro, num domingo, por volta das dezenove horas. Ouvíamos a banda fazendo o soundcheck ainda, quando falamos com o bilheteiro do teatro, perguntando se o Ezequiel estava presente.
O bilheteiro foi dando evasivas e nós insistindo, até que vimos o Ezequiel circulando nas dependências do teatro e o chamamos. Ele demonstrou uma certa irritação e ignorou-nos por um tempo. Mas como insistimos, ele enfim veio e seu semblante era de alguém muito irritado. 

Mesmo assim, quando aproximou-se, o Laert educadamente foi apresentando-se e falando que éramos o "Boca do Céu", antigo "Injeção na Veia", e que havia mandado-lhe exemplares do "Sarrumorjovem" etc. Ele ficou possesso e aos gritos, dizia não lembrar-se de nada disso, e que nós deveríamos pagar os ingressos, se quiséssemos assistir o show. Foi quando o Laert (até hoje não sei se foi por ingenuidade ou deboche), falou que ele era “nosso padrinho” e poderia pelo menos dar-nos ingressos em cortesia...

O Ezequiel ficou doido e falando que não era padrinho de "porra nenhuma", pegou dois ingressos, deu-nos com truculência gestual e advertiu-nos a nunca mais o abordarmos com essa conversa de "padrinho", e que deveríamos pagar pelos ingressos, doravante. Garotos que éramos, não incomodamo-nos com o “chilique” e fomos ver o show...claro, perdermos um "padrinho", talvez para um concorrente tão juvenil quanto nós na época, um tal de Cazuza...
Essa foto acima, que achei na internet é de fato do show "Massacre", do Made in Brazil, que assistimos no Teatro Aquarius em 1977, não necessariamente do dia em que fomos, mas da mesma turnê, sem dúvida

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário