sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 81 - Por Luiz Domingues

Após essa boa aparição na TV, onde fomos bem recebidos, pudemos falar com tranquilidade, e tocar ao vivo com um som legal, só lamentávamos que a estação em si, não tivesse uma audiência digna de suas boas intenções culturais. Eram os últimos dois meses de 2006, e não tivemos mais perspectivas de shows, infelizmente.

A música "Sou Mais Feliz", continuava tocando com boa profusão numa estação FM de São Paulo, mas não havia indício de que entrasse em outras estações, por extensão. Realmente, o fato de tocar em uma, já era extraordinário por si só, em se considerando que dobrava-se a primeira década do novo século / milênio e a cultura maldita do "jabá", estava para lá de sedimentada, há anos...
Legal sair com resenha num jornal mainstream e popular que geralmente abria espaço apenas para manifestações culturais popularescas, mas convenhamos, só na cabeça do desconhecido jornalista que escreveu, para deduzir que nosso objetivo de vida era seguir os passos do "Jota Quest"...particularmente, acho essa banda muito competente, mas se ele tivesse ouvido nosso disco mais detidamente e ostentasse, sobretudo, uma cultura musical mais avantajada, não teria escrito essa asneira...

Tivemos mais algumas matérias de revistas, com críticas positivas sobre o CD, e creio que foi só o que aconteceu de positivo nesse finzinho de 2006.
Na Revista Roadie Crew, nº 93, que saiu em outubro de 2006, falaram o seguinte sobre o Pedra I :

"Mais uma banda de Rock pesado em português, estilo que parece ter um grande renascimento nesses últimos anos. Temos vários exemplos de bandas que seguem esta linha de som, como Tomada, Carro Bomba, Baranga, 1853, Exxótica, Mahabanda e agora também o Pedra, que embora mais leve, que seus companheiros de estilo, não perde a qualidade. O grupo é formado por Luiz Domingues (Baixo e vocal); Xando Zupo (Guitarra e Vocal); Pedro Hig (Vocal, Guitarra e Teclado) e Alex Soares (bateria, convidado para a gravação do álbum).
Para o meu gosto pessoal, acho que as músicas poderiam ser mais pesadas, mas isso é algo que vai variar de pessoa para pessoa que ouvir o disco. Destaques para , além da qualidade da gravação, a guitarra de fundo de "Amanhã de Sonho", que lembra "Always With Me, Always With You", de Joe Satriani; "Reflexo Inverso", que me lembrou o April Wine; a "zeppeliniana" (especialmente pelo Slide Guitar), "Estrada"; e para a minha predileta, "Me Chama na Hora".
 

Nota : 7.0

Carlo Antico"


Bem, claro que sou agradecido ao Antico por ter feito essa resenha, em termos de boa v
ontade e principalmente por ter esmerado-se, colocando um microscópio para achar aspectos positivos nesse trabalho (não que ele não seja bom, quando é público e notório que o é), mas levando-se em consideração que o resenhista era / é, notadamente um aficionado do Heavy-Metal. Portanto, achei muito interessante o seu esforço pessoal para pescar qualidades em meio a um tipo de trabalho que passa longe de seu rol de predileções, portanto, um sinal de respeito. Feita essa ressalva que é muito importante para destacar-se, vamos aos fatos :

1) Maneirismo típico de críticos musicais do mundo do Heavy-Metal / Hard-Rock oitentistas, ele gastou quase a metade de sua resenha enfatizando o fato de nossa banda ter a predisposição artística de escrever letras em português. Ora, isso só é surpreendente para quem habita esse nicho fechado e obcecado por essa questão, pois é claro que usávamos o idioma português como língua oficial em nossas canções, e nem passava pela cabeça, cantar em inglês, coisa corriqueira no métier do Heavy-Metal.

2) Numa falha lastimável na digitação da ficha técnica... quem é "Pedro Hig" ??? Na nossa banda, eu conheço o Rodrigo Hid, conforme consta na ficha técnica do disco, e no release oficial que seguiu em anexo para a redação dessa Revista.

3) Gostei da honestidade do resenhista ao afirmar que para o seu gosto pessoal, o trabalho deveria ser mais pesado. Isso deixa claro que o nosso trabalho não fazia sentido para ele, a grosso modo, mas por isso mesmo, louvo a sua extrema boa vontade em resenhá-lo, quando em seu lugar, alguém sem a mesma lisura e consideração, teria descido o malho na obra, usando de sua idiossincrasia "metálica" ou na melhor das hipóteses, nosso disco teria sido preterido pelo editor, julgando-o fora de propósito para aquela publicação (o que de certa forma, é uma verdade). Bem, claro que ele era leve demais para o gosto do rapaz, em suma.

4) Cada pessoa faz uma leitura conforme suas lentes pessoais, isso é fato da vida. As associações que estabeleceu entre algumas canções nossas e o trabalho de artistas internacionais, foi mera visão dele e nada tinha a ver com a realidade. Onde ele lembrou do guitarrista "Joe Satriani", digo que esse referido músico não é referência para nenhum de nós, em hipótese alguma. No meu caso em particular, só sei que ele existe, mas daí a conhecer alguma música sua, existe um abismo. Respeito o trabalho do "April Wine", mas não é nem de longe uma banda que admire, tampouco meus companheiros.
A associação mais próxima que fez, foi com o "Led Zeppelin", mas mesmo assim, se fosse um jogo de "Batalha Naval", seu tiro teria acertado a água, pois no caso da canção "Estrada", a influência mais correta ali é o "Southern Rock" de bandas como "Allman Brothers Band"; "Lynyrd Skynyrd"; "Foghat"; "38 Special"; "Marshall Tucker Band"; "Alabama"; "The Doobie Brothers", e congêneres. E por fim, uma surpresa : ao afirmar que sua canção predileta era "Me Chama na Hora", denotou que absorveu a batucada de samba explícita que existe na música. Nesse caso, nada mau para um fã de Heavy-Metal, que tende a ser fechado em suas convicções. Discos de Heavy-Metal na mesma seção de resenhas ganharam notas mais altas, o que era normal, em se tratando de uma típica revista especializada no nicho. Mas uma nota "7", para um disco de uma banda nada a ver com esse mundo, foi excepcional, eu diria. Hoje em dia, eu não perderia o meu tempo em encaminhar um trabalho do Pedra para tal publicação. Deixo a ressalva que não tenho nada contra ela e pelo contrário, tenho até um grande amigo em seu staff, o excepcional jornalista, Antonio Carlos Monteiro. Contudo, o Pedra não pertence a esse mundo e ter um trabalho ali resenhado não ajudava-nos em nada, numa primeira instância. Em segundo lugar, podia até causar um incômodo, pois a despeito de sermos deslocados naquele mundo, pela amizade e respeito que nutrem por nós, claro que vão resenhar tudo o que enviarmos, mas sempre fazendo ressalvas como o Carlo Antico estabeleceu, para explicar ao seu leitor tradicional que uma banda como o Pedra é um alienígena ali para eles, mas tem seu valor etc etc. Essa é a realidade e fica sempre a questão do respeito mútuo para profissionais que dignam-se a falar de nós, apesar das disparidades entre o trabalho e os propósitos da publicação em si.
Portanto, saúdo e louvo a revista "Roadie Crew", e Carlo Antico por essa resenha.


O grande embalo inicial estava diminuindo, sem dúvida, e claro que hoje em dia, é muito fácil de enxergar tal dificuldade que estávamos vivendo, pelo distanciamento histórico. Na época, sentíamos uma queda, mas relevávamos, atribuindo-a ao inevitável "fechamento do Brasil", que ocorre de dezembro a março, num costume enraizado desde 1500...
Outra resenha que alegrou-nos pelo seu conteúdo positivo, saiu publicada na revista Cover Guitar, apesar de ser uma publicação dirigida para músicos, praticamente, claro que era uma honra e comemoramos o fato de ter-nos avaliado com muitos elogios. Eis abaixo a íntegra da resenha :

"Pedra

Desde já, reconheça-se o mérito de um grupo nacional que decide, em seu disco de estreia, enveredar por uma atmosfera setentista sem soar datado e cheirando a patchuli. Só que o fato de seus integrantes não serem marinheiros de primeira viagem - a banda foi formada a partir de uma verdadeira debandada da lendária Patrulha do Espaço, de onde vieram os guitarristas Xando Zupo e Rodrigo Hid (que também toca teclados) e o baixista Luiz Domingues - certamente pesou na hora de transformar este disco em uma bela e agradável surpresa. Desenvolvendo um paciente, acurado e competente trabalho de composição e arranjo, a banda mostra que quando criatividade, bom gosto e conhecimento musical se unem à técnica, se fecham os caminhos que levam à indiferença. Há ecos psicodélicos dos Allman Brothers em determinados licks de "Me Chama na Hora" e nos quase sete minutos de "Reflexo Inverso", em que Xando e Rodrigo dão demonstrações de eficiência ao tecer uma teia harmônica muito bem cerzida. "Misturo Tudo e Aplico" e a ótima "O Galo já Cantou" são daquelas canções que poderiam estar em um disco do Trapeze de Glenn Hughes, o mesmo acontecendo com o Rockão "Madalena do Rock'n Roll".
Até mesmo aquilo que seria o ponto fraco em muitos grupos do gênero - as baladas -, o Pedra se dá bem na delicadeza Rocker de "Amanhã de Sonho". Ainda vamos ouvir falar muito deste grupo..."


RT


Bem o "RT" em questão é o jornalista Régis Tadeu,e nesse caso, não só um dos maiores conhecedores de música e Rock do jornalismo musical brasileiro, como bem famoso por ser muito exigente. Muito boa a resenha, mas como era / é típico da crítica musical brasileira, o início da reflexão do jornalista, é marcado pela insistência em bater na tecla do que é "datado" e no nosso caso, exalta-se o fato de que soávamos setentistas, mas sem o aroma de "Patchouli", ou seja, deveríamos ficar contentes com o fato de termos passado nesse teste de detecção de naftalina ??
Ha ha ha... na mentalidade do jornalista, isso era uma coisa a ser louvada como um mérito e sem desmerecê-lo de forma alguma, pois sua intenção foi boa, mas trazendo outra reflexão a baila, eu pergunto : quando os jornalistas musicais vão libertar-se dessa preocupação com o tempo ? Acredito que muito melhorariam no exercício de seu trabalho, se finalmente convencessem-se de que música é atemporal. Nos demais aspectos levantados, uma crítica muito positiva, exaltando pontos que sobressaíram-se segundo sua percepção pessoal e reconheço que com conhecimento de causa. A citação dos "Allman Brothers" em relação a música "Me Chama na Hora", não bate com a minha percepção pessoal, pois acho que "Estrada" cabe melhor na comparação estilística, mas isso em nada desabona a crítica dele a meu ver. Claro que por tratar-se de uma publicação dirigida a guitarristas e aspirantes, o foco centrou-se mais na performance de Xando e Rodrigo. Natural, que fosse assim. Comparação com o "Trapeze" muito honrosa, naturalmente, e o fato de ter elogiado "Amanhã de Sonho" do jeito que fez, denotou que em outras avaliações de outros artistas, talvez não tivesse tanta paciência com baladas. Ponto para nós, portanto. A frase final, talvez tenha sido a mais emblemática da resenha e representa tudo o que um artista quer que um jornalista fale de seu trabalho : "Ainda vamos falar muito desse grupo". Ou seja, tem o peso de uma profecia, proferida da parte de quem geralmente usa como trunfo profissional acertos em avaliações para o futuro. Em suma, apreciamos e agradecemos a resenha muito positiva.
Por outro lado, já trabalhávamos em músicas novas, que avolumavam-se, insinuando a vontade de pensar num segundo disco. E assim encerrou-se o ano de 2006...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário