terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Autobiografia na Música / Atualizações - Kim Kehl & Os Kurandeiros - Capítulo 100 - Por Luiz Domingues

A última vez que apresentamo-nos no Tchê Café, fora ao final de dezembro de 2017. E como último show do ano, tal oportunidade ofertara-me a oportunidade em pensar o quanto aquele ano de 2017, fora produtivo para Kim Kehl & Os Kurandeiros. Portanto, ficamos contentes em voltar àquela casa simpática, e também, após tantos shows ocorridos em bairros distantes, eis que ir tocar perto do aeroporto de Congonhas, foi muito reconfortante pela curta distância; pouca possibilidade em ter que enfrentar um desgastante trânsito e sobretudo em ter a preocupação em trafegar por caminhos desconhecidos. E assim, ainda a considerar-se ser um sábado, rapidamente cheguei ao local e meus colegas, Kim Kehl e Carlinhos Machado, já estavam no local e com o seu equipamento montado, apenas a aguardar-me. A predisposição da casa em ceder todo o equipamento e até os instrumentos, permanecera intacta, e assim, fizemos uso do PA; amplificadores e da carcaça da bateria, mas eu não quis desta feita usar os baixos disponibilizados pela casa e assim saquei o meu instrumento do meu "bag", preparei-me e o afinei. Estávamos com tempo hábil e dessa forma, pudemos ainda conversar com tranquilidade, antes de iniciarmos a nossa apresentação.
Kim Kehl; Carlinhos Machado, na bateria e Luiz Domingues, nas duas fotos. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Clicks : Lara Pap

Foi quando começamos e foi uma sessão inicial híbrida, a conter música autoral e releituras para clássicos, mas não muito ameno, conforme o Kim alardeara querer imprimir, quando relatou-nos que passara a semana constipado e que a sua voz não estava 100% para enfrentar uma apresentação longa, a conter várias entradas. Sei como é, na hora da adrenalina do palco a empolgação advém e o artista ignora os seus cuidados pessoais e coloca a performance à frente da prudência em conter-se para preservar a sua saúde. Não foi o ideal para ele, ao pensar-se na sua recuperação pessoal em termos de saúde, mas para a banda, é claro que tocar com maior energia, foi ótimo. O que não foi bom, no entanto, ocorreu que a carcaça da bateria disponibilizada pela casa, que estava muito machucada. Sem ajustes, e por tanto que suas presilhas estavam espanadas, foi torturante para o Carlinhos trabalhar e ainda com o show em curso, ele arrancou o tom da armação do bumbo e passou a contar apenas com a caixa e o surdo para promover as suas viradas e claro que isso repercutiu na performance da banda, apesar do nosso entusiasmo. E o mesmo caso ocorreu com o Kim, que ao usar o amplificador da casa, sofreu com o seu mau estado, talvez pela ausência de manutenção, ao ter tornado-se um aparelho público, praticamente. Ficou o alerta para uma possível volta à casa, quando certamente levaremos o nosso equipamento.  
Na mesma configuração da foto anterior. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Clicks : Lara Pap

Ainda tocávamos músicas a cumprir a primeira entrada do espetáculo, quando observo adentrar o recinto, a figura simpaticíssima do guitarrista, Wilson Ricoy, acompanhado de sua esposa e filho. Guitarrista da pesada, versado pelo Blues e Classic Rock em linhas gerais, mas também a cultivar apreço pessoal para diversas outras vertentes da música, Ricoy é também um Ser Humano excepcional e certamente que a perspectiva em contar com a sua prazerosa companhia, foi alvissareiro. E assim ocorreu, quando no intervalo, pudemos conversar com calma e ele narrou-me que estava a morar em São Paulo, após longa permanência em São José dos Campos / SP, e que a sua família adaptara-se bem. Seu filho, já na faixa de quatorze anos de idade, estava a estudar baixo, mesmo já tendo aprendido a tocar guitarra com ele, Ricoy.
Na mesma configuração da foto anterior. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Clicks : Lara Pap

Voltamos a tocar e a contrariar o ímpeto Rocker, o Kim acusou o golpe às suas combalidas cordas vocais que não estavam realmente em condições para voos mais altos naquela noite e assim, tocamos uma sessão mais amena com Blues e baladas. E o público presente surpreendeu-se com o teor das baladas, visto que a quantidade de canções oriundas do final dos anos sessenta e início dos setenta que ali executamos, foi saudada de uma forma muito grande a denotar que apreciavam-nas, mesmo que na aparência, ninguém ali estava na faixa etária para reconhecê-las, portanto, ou eram conhecedores de música ou por coincidência, ouviam os discos de seus pais... ou avós.
Na mesma configuração da foto anterior. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Clicks : Lara Pap

E como a sinergia geralmente estabelece o tom do show, ao sentirmos tal retorno positivo, naturalmente o Kim empolgou-se novamente e ao mandar às favas os seus cuidados com a garganta machucada, colocou ímpeto novamente em seus esforços e ali tocamos mais alguns temas mais pesados, versados pelo Hard-Rock setentista, mesclados aos nosso material autoral. Final com euforia e a esperar que a garganta do Kim não sofresse muito nos dias posteriores, encerramos bem essa apresentação.  
Da esquerda para a direita : Wilson Ricoy; Luiz Domingues; Edu Rocker e o último rapaz, fiquei sem saber o seu nome. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Acervo e cortesia : Wilson Ricoy Clicks : Senhora Ricoy   

Noitada boa, ficamos felizes por tocar ali novamente e rever, Wilson Ricoy; sua família e dois amigos que ele convidara para assistir-nos. Então foi assim, noite de 10 de novembro de 2018, no Tchê Café de São Paulo. A próxima atuação, seria na retomada da turnê, "Toca Raul", no início de dezembro. 

Foto 1 : Carlinhos Machado a arrumar a sua bateria, antes do show começar. Foto 2 : O casal Kurandeiro : Kim Kehl & Lara Pap na mesa / loja ambulante do merchandising da banda. Kim Kehl & Os Kurandeiros no Tchê Café de São Paulo / SP. 10 de novembro de 2018. Clicks : Luiz Domingues

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário