sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Autobiografia na Música - Pitbulls on Crack - Capítulo 60 - por Luiz Domingues

Infelizmente, o "Equinox" extrapolou, e contrariando o combinado, tocou por mais de uma hora e meia, entediando o público com seu Heavy-Metal oitentista; defasado, e enfadonho. O guitarrista solo estava nervoso, e por estar contrariado, motivado pelo atraso no soundcheck, quis propositalmente afrontar-me, e prejudicar o show do Pitbulls on Crack. Atitude lamentável em que nada contribuía para divulgar o som de sua banda, pelo contrário, só criou um anticlímax. O meu aluno, Luiz, era extremamente gente boa, e ficou constrangido com as atitudes de seu guitarrista, mas o estrago estava feito. Enfim, o público cansou daquele som maçante e absurdamente alto. Dispersou, abrindo um clarão na frente da banda, e mesmo assim, insistiram em tocar mais e mais.

Pior que isso, hostilizou nosso roadie, o Jason Machado, que pedia insistentemente para que encerrassem, devido ao tempo estourado.
Claro, arrependi-me por tê-los incluído no evento. Teria sido muito melhor incluir outra banda de alunos, e havia várias que desejavam ter tido essa oportunidade. Já noite avançada, beirando a madrugada, o Pitbulls on Crack entrou em cena, e o público já estava pela metade.
Se a intenção do guitarrista rancoroso houvera sido essa, creio que o maior prejudicado foi ele mesmo, por ter entediado as pessoas, espantando-as. Claro, era de esperar-se que as pessoas cansassem-se de ficarem confinadas num bar minúsculo, com um áudio deficiente, e bandas de Rock tocando em volumes inacreditáveis. E também era esperado que muitos dispersariam após verem seus parentes e amigos apresentarem-se, tal como um festival juvenil. Isso não abalou-nos em nada, e fizemos o nosso show normal, sem preocupações, e contentes por ter sido um sucesso um evento do qual não esperávamos nada.
Isso ocorreu então, no dia 30 de abril de 1995, e o público foi excelente, com 520 pessoas presentes (informação oficial revelada-me pelo Jason Machado, no ano de 2015), para a alegria do dono do bar, que vendeu muita bebida nessa noite. Existe uma versão editada desse evento, gravado em Mini-VHS e digitalizada nos anos 2000. Pretendo lançar no You Tube em breve. Só não sei ainda se lanço separadamente cada banda, ou se mando tudo junto, como um documentário de Festival. E mais uma coisa : vou mudar o nome do Festival, passando por cima da história... vai ser "Dominguestock"... Ha ha ha !!!
Continua...

4 comentários:

  1. Tigueis, contagem oficial me passada pelo Murilão, 520 pessoas amontoadas. rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Baseava-me na minha anotação pessoal com pouco mais de 400 pessoas presentes. 520 me surpreende e alegra ainda mais, pois foi um feito e tanto.

      Grato pela informação e parabéns pela marca !

      Excluir
  2. Me lembro do Murilão me chamando ao final e me perguntando "como vc conseguiu trazer 520 pessoas num dia atípico desse, parabéns", e claro fiquei muito feliz, por ter sido minha primeira "produção" nesse sentido.

    ResponderExcluir
  3. Foi mesmo algo fora do padrão, e deve ter sido uma das últimas noites fortes no Black Jack, que naquela altura, já estava decadente.

    ResponderExcluir