sexta-feira, 9 de maio de 2014

Ansiedade - Por Telma Jábali Barretto


Todos conhecemos aquele momento que, compromisso com hora marcada a seguir aguardando e, um encontro casual, telefone tocando ou um imprevisto qualquer se apresenta e...qual caminho que daremos a essas ações diz muito de nós.


Alguns re-agem estabanadamente num misto de nervosismo, impaciência e aparente desconforto para si, refletindo, de maneira pronta e espontânea com gestos, palavras, reproduzindo no seu entorno a própria desarmonia.
Outros, com total objetividade se colocam e das mais diversas maneiras: anunciando o que se segue, outros, ainda, simplesmente lamentando e sofrendo a quebra da ordem do dia, estabelecida antes, e tem aqueles que, mesmo diante do imprevisto, organizam, melhor, re organizando prontamente o roteiro para conciliar o compromisso e a surpresa desafiadora...



Neste último caso costumamos chamar a tal pessoa de resiliente  e, quanto de nós exige para chegarmos a essa habilidade, que, sem dúvida vale aprender e apreender.
Não será esse o contínuo jogo que a vida nos propõe ?


Parece que sim !

Temos lá escolhas, metas e deliberações...mas, somos criativamente surpreendidos pela novela de nossas histórias.


Será, também, sempre de dentro para fora que tais fatos fazem seu convite ? 

Nem sempre...


Muitas vezes, sem hora marcada que se justifique, tempo de chegada ou mesmo nenhuma necessidade ali à frente e uma urgência nos aciona.


Fato ? Sim, parece conhecida tal situação para muitos de nós e aí...?!...
Qual a causa dessa agora urgência ?


Para onde estamos indo ou qual razão de que rapidamente precisamos fechar, concluir, falar, terminar...?!...Objetividade ?!...Será mesmo ?


Algumas vezes sim, outras não!


De que ou do que fugimos, envolvendo –nos a seguir com mais um dever, devaneio, tarefa...alimentando e retroalimentando ansiedade, construindo desgastes e satisfações, fracassos e vitórias pouco saboreadas, vivenciadas ou absorvidas numa maratona sem fim.
Sem vencedor ou perdedor, na pura batalha de não permitir o silêncio, o estar e o ser no agora...


Sem ter que chegar ou mesmo ter aonde ir...
Simplesmente sendo !


Sem máscara, sem fantasia...desnudo e pleno !


Só e Todo !!!





Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog Luiz Domingues 2. Engenheira civil, é também uma experiente astróloga, consultora para harmonização de ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga.

Nesta crônica, nos fala sobre a questão da ansiedade, mas fugindo dos clichês da psicanálise tradicional, porém indo muito além, pelo viés do macro entendimento. 

6 comentários:

  1. Nossa...falou tudo...grata pelo texto e reflexão...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Blog agradece a sua participação, amiga Christine !

      Excluir
  2. Obrigada Christine pela leitura e também seu comentário. Falamos algo sobre...entendendo vamos desvendando e, aí, começamos a atentar, enfrentar mudando e minimizando sua influência sobre nós. Na mas tê!

    ResponderExcluir
  3. resiliência.... até conquistar um patamar, digamos, satisfatório..., vai longe...
    as vezes uma vida.... rsrsrs....
    agora, com essa urgência...., medo, coragem, tudo junto e misturado... nessa maratona sem fim... Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou com a Telma nessa questão : é o uso da resiliência no cotidiano, como ferramenta importantíssima de apoio à nossa caminhada.

      Muito grato por ler e comentar !

      Excluir
  4. Sim...resiliência!
    Não tratar como urgência e nem olhar para as maratonas...mas, procurar, aí mais ainda, como a cada agora...cada etapa e enfrentar cada desafio um por um.
    Abraço, força aí e na mas tê!

    ResponderExcluir