domingo, 6 de janeiro de 2013

Autobiografia na Música - Língua de Trapo - Capítulo 16 - Por Luiz Domingues

Minha reação na hora, foi de estupefação. Ao mesmo tempo, fui acometido por uma miríade de sensações contraditórias. Estava honrado e feliz por resgatar uma história mal interrompida do passado (a minha saída em 1981); feliz por estar sendo convidado a entrar numa banda de sucesso; projeção; e com perspectiva concreta de ganhar muito dinheiro, mas preocupado em não deixar A Chave do Sol, primeiro porque eu era seu cofundador, segundo, porque ela estava dando sinais de expansão, e terceiro, pelo fato de ter “comido tanta grama” com os companheiros, e não querer deixá-los numa situação embaraçosa de retrocesso nesse instante em que deslumbrávamos a ascensão tão sonhada.



Comuniquei aos companheiros da Chave do Sol, logo após o show. Ficaram chocados, claro, e não gostaram, certamente. Mas tiveram que resignar-se, pois eu não tinha alternativa, precisava ganhar dinheiro.



Dei a resposta ao Laert já no dia seguinte, pois eles não podiam esperar. Já tinham outras opções numa lista de baixistas. A banda tocava muito. Tinha agenda igual à de duplas sertanejas de sucesso, de hoje em dia.
Tempo para assimilar ? Nenhum... coloquei-me numa fogueira para poder escapar de um abismo...
Tentador ? Puxa... um dia você está tocando num barzinho de pouca projeção, e no outro, está em turnê de quarta a domingo, com teatros lotados, todo dia.
Na rotina onde entraria dali em diante, toda segunda-feira, o empresário entregar-me-ia um bolo de dinheiro, do cachet da semana anterior. Todo dia a sua face estaria na TV; jornais, e revistas. Era uma oportunidade de ouro, e com um trabalho artístico para orgulhar-se. Além do mais, onde eu era um membro cofundador também, voltando para a casa...
Fiz o show da Chave do Sol, com todo o gás possível, pois esse era o outro lado da moeda. Eu amava aquela banda, e não queria abrir mão dela, como não abri.


Foram nove meses de conflitos, mas no fim, eu deixei a segurança financeira e fama do Língua de Trapo, para ficar na Chave do Sol. Tive vários momentos difíceis, pois as duas bandas melindravam-se com essa divisão, e relatarei isso nos próximos capítulos, analisando pelos dois lados da moeda. 





Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário