sábado, 26 de janeiro de 2013

Autobiografia na Música - Língua de Trapo - Capítulo 18 - Por Luiz Domingues

As primeiras impressões foram de estupefação. Aquele grupo que eu havia deixado no início de 1981, sob condições difíceis, era outro, completamente diferente. Fiquei boquiaberto quando o Laert me mostrou o portfólio da banda. Naquela época, eram quase dez pastas enormes, abarrotadas de matérias de jornais e revistas.
Entrevistas de página inteira em jornais de grande circulação; revistas de porte grande; jornais de diversas cidades interioranas e capitais de outros estados...
O Lizoel, guitarrista que eu conhecia da primeira passagem, que tive pela banda, falava-me mil coisas sobre bastidores. Era o mais antenado na questão das oportunidades do mundo fonográfico, e foi logo me dizendo que o Língua estava na iminência de fechar contrato com uma grande gravadora, onde contatos já estavam adiantados. O Laert então preocupava-se mais com o pé no chão, e queria que eu tirasse logo as músicas novas, pois o objetivo era preparar-me para o novo show que estava sendo ensaiado para a turnê 1983 / 1984. Entrosei-me muito rapidamente com o baterista Naminha, que é um amigo extremamente gente boa. E também com o tecladista João Lucas, que apesar de ver-me ocupando o lugar que era de seu irmão, o baixista Luiz Lucas, acolheu-me muito bem, e tornar-se-ia um grande amigo posteriormente, com o avançar da turnê.
A casa de Fernando Marconi, onde ensaiávamos em 1983, ficava na Rua Cardeal Arcoverde, próxima a essas pequenas oficinas de restauração de móveis antigos.
                             
Sergio Gama e Fernando Marconi também receberam-me muito bem. Os ensaios eram na casa do Fernando, que estava casado com a jovem Lia. Sergio Gama também estava casado, com Nancy Goulart, filha do jornalista Goulart de Andrade, famoso pelo seu programa na Rede Globo, "Comando da Madrugada", e que esperava o primeiro filho do casal. E o Pituco Freitas estava mudado também. Estava com uma postura de artista, coisa que não tinha bem delineada antigamente. Agora ele aprendera a impor-se nesse sentido, o que fez-lhe muito bem. Nesse período, eles estavam assistidos por um escritório de empresários, mas não estavam contentes. Logo fui informado que estavam insatisfeitos, e sonhavam voltar com o empresário que tinham anteriormente, um holandês chamado Jerome Vonk.
                             O empresário Jerome Vonk

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário