sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 48 - Por Luiz Domingues


A questão da divulgação foi bastante complicada, pois não tínhamos uma verba folgada para tal finalidade.

Apesar de termos feito um bom caixa nos meses anteriores, com uma agenda movimentada de shows, e principalmente pelos cachets gordos do Victoria Pub (foram 14 shows , lá), teríamos que segurar uma boa quantia para garantir o aluguel de P.A. e luz; as cortinas, e produção em geral.

Cotamos cartazes, "lambe-lambe", e filipetas. 


Rádio, TV e tijolos nos jornais, nem pensar, e nessa etapa da banda, não arrastariam público algum, pois éramos ilustres desconhecidos do grande público. 

Se houvesse verba, seriam interessantes, contudo, como mídia de alastramento da marca. Mas não era o caso nessa fase da carreira, com nosso caixa minúsculo. 

Fizemos então alguns cartazes, filipetas e a verba não dava para cobrir a colagem de lambe-lambe, apenas cobria a sua impressão.

Dessa forma, o Zé Luis (sempre ele, nessas horas desbravadoras...), disse que sabia fazer a cola que os coladores de lambe-lambe usavam, e que se prontificava a fazê-la, se nós topássemos ajudar a colar.

Então, iniciamos uma semana maluca, fazendo litros de cola, e saindo de carro pelas madrugadas, colocando nós mesmos os cartazes. 


Claro, pedimos orientação para o pessoal da gráfica, sobre o roteiro a ser percorrido, pois havia um acordo entre todas as gráficas de São Paulo, sobre territórios demarcados. 

Sendo assim, só colocamos onde eles iriam colocar, e assim economizamos a verba da colagem, que aliás era praticamente a metade do preço cobrado. 

O processo da fabricação da cola era demorado, e transformou a cozinha da residência do Rubens, numa fábrica. Esperávamos a família dele se recolher, e as empregadas domésticas da casa encerrarem seu expediente.


Era usado polvilho azedo, água fervente e um pouco de sal grosso. Infelizmente, aquilo tinha um odor insuportável, sendo uma gosma fétida e nojenta, que causava náuseas.

Fora o incômodo de usar panelas gigantes que o Zé Luis arrumou, num fogão residencial de pequena extensão.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário