quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 45 - Por Luiz Domingues


Sem Verônica, e sem o Victória como palco fixo, com direito a bons cachets e badalação, ficamos sem perspectiva imediata de seguirmos no ótimo embalo que havíamos obtido desde outubro de 1982.

Então, o Dinola teve a ideia de produzirmos um show num espaço alternativo, que não fosse casa noturna, onde poderíamos tocar mais nosso material autoral que covers. 


Surgiu então a ideia de alugarmos um pequeno teatro que pertencia a um colégio particular, na Av. Angélica, chamado Colégio Piratininga.

O motivo dessa escolha foi o fato do Zé Luiz ter estudado lá, e conhecer pessoas da direção do mesmo, facilitando o contato.

E o início da conversação foi promissor, pois o colégio aceitou nos ceder o teatro sem custos, mediante uma pequena compensação : pediu-nos para providenciarmos cortinas pretas de cenografia para tampar as coxias, que não haviam no teatro, e que elas ficassem para o teatro definitivamente, em troca do espaço.

Como era um pequeno auditório (cerca de 300 lugares), o material usado seria muito mais barato que um aluguel em outro teatro qualquer, e dessa forma, aceitamos. 


Mas o colégio não estava acostumado a fazer produções abertas ao público em geral, e seu uso era restrito às atividades escolares, portanto, não tinham nenhuma licença da prefeitura, e nem sabiam lidar com ECAD, OMB, e tantos outros "mordedores" de taxas e impostos...

E nós...também não sabíamos... 


Então, foram 20 e poucos dias de trabalho intenso, pois tivemos que correr atrás de toda essa burocracia, divulgação e produção do show. Fora ter que pensar em cenografia, pois tínhamos de fazer as cortinas, pensar num cenário minimamente interessante, alugar P.A. e luz...

E claro, tínhamos que ensaiar !! 


Sem a Verônica, era preciso adaptar o vocal do Rubens para a maioria das músicas; o Zé Luiz em algumas, e até eu entrei na dança, encarando como vocalista solo, mesmo sabedor que minha voz servia para backing vocals, e olha lá...

Foram dias intensos de trabalho, e uma certa apreensão, pois o risco era grande em se considerando que dependeríamos de uma incerta bilheteria...



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário