sábado, 22 de novembro de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 198 - Por Luiz Domingues


E ainda em junho, teríamos mais um compromisso, e desta feita, delineava-se como o mais bem divulgado, em relação aos dois anteriores que fizeramos. 

Não que o "Metal Tribo", organizado pelo Antonio Celso Barbieri, ou o lançamento de dois discos no Clube das Bandeiras, por parte do Luiz Calanca, não tivessem tido um esforço bacana por parte desses respectivos produtores.

Mas é que nesse terceiro show que citarei agora, o apoio de uma estação de rádio, diretamente interessada no evento, estava maciço, e dessa forma, a perspectiva de um público grande, era enorme.

Tratava-se de um show organizado por um programa da rádio 97 FM, que àquela altura, era a principal estação de rádio, inteiramente dedicada ao Rock, considerando que estações como 89 FM, e Brasil 2000 FM, ainda estavam iniciando suas atividades de uma forma incipiente.

Desde 1984, a 97 FM de Santo André, cidade da região do ABC, dominava o segmento Rock, com boa penetração em São Paulo, apesar de padecer de um maior alcance, devido à dificuldades técnicas. Portanto, a 97 FM atingia todas as cidades da região do ABC, e grande parte da cidade de São Paulo, mas em alguns bairros da capital, o sinal era deficiente.

Sendo assim, mesmo com esse limite nessa época, a estação dominava o mercado da grande São Paulo, tendo um nível de atuação semelhante à da Rádio Fluminense FM, no Rio, e a Ipanema FM, de Porto Alegre.

De fato, a 97 FM de Santo André dava muita abertura à bandas independentes da cena oitentista, sem preconceitos ou fechando em tribos. Do pessoal do Pós-Punk, às tribos do Heavy-Metal, todo mundo estava tendo espaço, e paralelamente, Rock vintage das décadas de cinquenta, sessenta e setenta, também tinham espaço, uma raridade no ambiente hostil da década de oitenta, e seu paradigma de repúdio ao passado.

Portanto, estávamos tendo um espaço legal na rádio, com nosso compacto inicial sendo tocado, ainda que não na mesma constância que tocava na Fluminense FM, do Rio, mas caminhava.

E haviam os programas, onde cada apresentador/locutor, tinha certa autonomia para tocar e entrevistar artistas.

Um deles, era do jornalista Leopoldo Rey, um experiente crítico de Rock, com passagem em jornais de grande circulação, e que há anos, estava na Revista Som Três, com sua coluna "Dr. Rock", além de que recentemente havia ingressado na Revista Bizz.

E outro, que tinha muita audiência, era comandado por um comunicador chamado Beto Peninha, e se chamava "Sessão Rockambole". 


E foi o Beto Peninha que tomou a iniciativa de promover um grande show na região do ABC, com a presença de algumas bandas da cena pesada de São Paulo.

Nessa perspectiva, convidou A Chave do Sol entre outras, e desde o início de junho, usou o seu programa para massificar a divulgação do espetáculo, além de contar com o apoio da rádio que disponibilizou muitas chamadas e testemunhais de outros locutores da casa, para reforçar essa divulgação.

Indo além, trabalhou também com recursos tradicionais de divulgação da época, tais como filipetas, cartazetes e Lambe-Lambe, mediante o apoio de patrocinadores.

Enfim, o Peninha, apesar de ser um produtor na onda do "marinheiro de primeira viagem", esmerou-se para fazer tudo direitinho, e de uma forma surpreendente até (em se considerando sua inexperiência como produtor de shows), conseguiu um ótimo resultado.

Em princípio, a ideia era fazer o show na cidade de Santo André, sede da estação 97 FM. E também por Santo André ter a fama local de ser a cidade mais Rocker entre as cidades do ABC, com uma tradição de muitos anos de shows de Rock.

Mas, na impossibilidade de agendar uma data no famoso Clube Aramaçan, onde a 97 FM faria no futuro, inúmeros shows históricos e até shows internacionais ocorreriam (Deep Purple, Nazareth etc), outras opções foram ventiladas, mas o tempo passava, e o Peninha optou por fechar num clube disponível, na cidade de São Caetano de Sul, o Buso Palace.

O Buso Palace ficava bem perto da fábrica da General Motors, e do centro da cidade de São Caetano do Sul, próximo à avenida Goiás, portanto, num ponto muito estratégico, que é quase na divisa com Santo André, e também muito próximo da divisa com São Paulo, portanto, era bastante interessante.

Numa dessas ações do Peninha, lembro-me de ter ido aos estúdios da 97 FM e ter concedido uma entrevista no programa Sessão Rockambole, no dia 16 de junho de 1985, onde ele executou músicas da Chave ("Luz" e "18 Horas", pois ainda tínhamos começado a gravar o novo disco, nessa data), além de me deixar falar sobre a banda, seus planos e claro, reforçar bem o anúncio do show, no Buso Palace.

Esse show tem várias histórias, que contarei a seguir...



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário