quinta-feira, 3 de abril de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 103 - Por Luiz Domingues


Numa rara oportunidade de agenda nesse primeiro semestre, onde todos os espaços eram praticamente ocupados pela agenda do Língua de Trapo, eu consegui uma brecha, e pudemos marcar um show para A Chave do Sol.

Foi um convite da FAAP, a Faculdade Armando Álvares Penteado, super bem localizada no bairro do Pacaembu, e frequentada por alunos, invariavelmente oriundos das classes sociais mais abastadas de São Paulo.

Infelizmente, contudo, não seria realizado no seu bonito teatro, que aliás é um dos melhores do circuito teatral paulistano, mas sim na famosa escadaria central do Hall de entrada, sob seus lindos vitrais (que são famosos, já tendo sido filmados como cenário de filmes, novelas e comerciais).


Foi realizado no final de maio, com a temperatura típica de outono, e tratava-se um projeto cultural de diversas atrações que transcorreriam durante uma semana de palestras sobre Comunicação, e onde A Chave do Sol era a atração daquele dia.
 

Lembro-me que os outros shows seriam de "Laura Finocchiaro", "Nós nas Tranças", e Freelarmônica, em dias diferentes.

O convite surgiu por termos despertado a atenção através de nossas aparições no programa " A Fábrica do Som", da TV Cultura.

Era a rigor, o primeiro show que conseguíamos graças ao apoio midiático, ao menos de forma espontânea. 

O público não se empolgou com o nosso som, o que era esperado em meio àquele universo de "Patricinhas e Mauricinhos", mas não foi um fiasco total, com repercussões pontuais de poucos que se ligaram no nosso som, cheio de firulas, e nada pop.

Uma particularidade desse show, foi que por não ser um palco adequado, tinha o piso muito liso de mármore. Era difícil portanto tocar e imprimir um mise-en-scené minimamente condizente com a nossa performance habitual, sem ter o receio de escorregar e passar vergonha.

No cômputo geral, foi uma boa apresentação, que ocorreu no dia 28 de maio de 1984, e sob os olhares de mais ou menos 300 pessoas que estavam naquele saguão.


Continua...
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário