segunda-feira, 7 de abril de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 119 - Por Luiz Domingues


Outro sketche muito interessante, era uma performance no meio do show. 

Sem explicações, um ator usando um figurino performático, apenas entraria e caminharia pelo público.

O inusitado disso, era o caráter quase fantasmagórico dessa aparição, onde ele entraria coberto por uma capa que lhe cobriria todo o corpo e sobre a cabeça, um abat-jour enorme e aceso !! 

Claro, a viabilidade técnica desse aparato, ficou a cargo do Zé Luis, nosso inventor-mor; técnico de eletrônica; eletricidade; hidráulico; marcenaria, e engenharia do faz-tudo...

Após testes na casa do Rubens, o aparato ficou aprovado e o insólito dessa performance, não era só o aparato em si, mas
o fato de que o poeta Julio Revoredo, topou fazer a performance !!

O tempo todo ele salientou que não era ator, e sim poeta !!


Mas mesmo tendo essa insistência em deixar clara essa questão, foi muito profissional, mesmo não sendo seu ofício, e nos shows, cumpriu com galhardia a sua performance, causando um efeito muito significativo, conforme desejávamos.

Logo mais, falo sobre a divulgação, os shows em si e a oportunidade que vislumbramos ao ver um jovem vocalista
em ação, e numa circunstância não premeditada por nós. 

Esse personagem de costas numa janela, entraria de forma inusitada na vida da Chave do Sol, alguns dias depois dos dois shows de lançamento do compacto. E protagonizaria histórias incríveis. Já estou chegando lá...aguardem !!

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário