sexta-feira, 11 de abril de 2014

Poder - Por Telma Jábali Barretto

Poder : que significa para cada um de nós e que uso damos ou daríamos podendo exercê-lo ?


Exercício que quase sempre parece restrito a celebridades, mas que seria de nós não fossem nossos pequenos poderes?


Como não celebrar e valorizar conquistas que nos acompanham por toda a existência, desde bem cedo até a completa falência deles quando daqui partimos ? 

Estamos acostumados a enxergar poder como algo que se usa sobre os outros e, quase, nunca sobre si mesmo...e, usando sobre si, com que habilidade o manejamos?


Não seria esse o verdadeiro e mais pleno sentido de poder ?

Esse comando, gerencia sobre a própria existência e...sobre ela, existência, não estaria restrito a essa vida física, limitada à forma que habitamos, mas muito, muito além dela, como trabalhamos com sensações, sentimentos e aprendizados contínuos e não somente memórias emocionais acumuladas, selecionadas, mais ainda e também toda carga de aprendizados racionais, intelectuais e filosóficos que catalogamos dentro dessa temporal e humanizada, corporificada e individualizada vida que, com que espécie de autonomia, agimos?


Poder aí não representado, como também acostumados estamos a alguma forma de pressão naquele conhecido e antigo binômio comando/comandado, mas de novo e diferente formato de poder que, talvez, devêssemos aprender...quem sabe tateando, absorvendo e incorporando num mais arejado e livre exercício de escolhas, seguido de cuidado atento para respeitá-las!


Taí...bingo !
Inovadora maneira de apoderar-se !


Em consequência, assim, virão novas respostas às solicitações...


Observando, entendendo e processando convívios, pessoais e interpessoais, com perspectivas mais amplas, que, ainda que de início sejam ameaçadoras, trarão (re) significado as autossuficiências e interdependências tão presentes nos enredos pessoais, esmaecendo então fantasmas, dissolvendo medos...


E, por aí vamos...apropriando-nos de nossa poderosa singularidade !


Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog Luiz Domingues 2. Engenheira Civil, é também uma experiente astróloga, consultora para harmonização de ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga.

Neste texto, faz uma interessante reflexão sobre o poder, mas enxergando-o além do estigma que geralmente lhe atribuímos, como algo maléfico e egóico.


17 comentários:

  1. Ah...percebermos o poder interior que temos é uma grande dádiva!!!! Vivenciar o Nosso Deus Individual...aprendemos... Namastê! _/\_

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Christine !

      O poder interior é o que realmente precisamos vivenciar.

      Grato por ler e comentar !!

      Excluir
  2. Sim. Conhecer e viver a partir desse centro é uma verdadeira revolução!
    Obrigada por ler e comentar!

    ResponderExcluir
  3. Telma, excelente, bem colocado, explicito, você fez o contorno do assunto fechando muito bem, realmente o nosso poder é poder decidir nosso rumo,o principio, daí todos os outros(poderes) serem exercidos. Namastê Adriano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo, Adriano. De fato, o poder é poder decidir nosso rumo...

      Grato por ler e comentar !

      Excluir
  4. Que ótimo!!! Telma,
    assim como os grandes seres adquiriram o verdadeiro poder, o poder sobre si mesmo...e aqui vamos nós, pouco a pouco nos melhorando, nos transformando...e através dessa percepção, nós "podemos" desenvolver cada vez mais esse poder, pois somos aspirantes a "poderosos seres". Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Evelin...eternos aprendizes/eternos professores na jornada da vida! Apoderando-nos! E que haja humildade para aprender...e que haja disponibilidade para transmitir! Obrigada e na mas tê!

      Excluir
    2. Boa reflexão, Evelyn !

      Nos tornarmos "poderosos seres" dentro da cosmoética, é um caminho reto para a grande meta do religare.

      Obrigado por ler e comentar !

      Excluir
  5. Obrigada Adriano pelo comentário...co mandar a si mesmo é o verdadeiro desafio não?! Os demais poderes, que nos cabem passando pela vida, certamente serão exercidos com mais critério! _/\_

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Telma, decidir, eis a questão. A incógnita que é saber-se certo ou errado, vai nos ensinando a usar este poder. Namastê Adriano.

      Excluir
    2. ...vai nos ensinando a 'melhor' usar esse poder em aprendizado!

      Excluir
  6. Muito bom ler e refletir sobre o sentido do poder, que ultrapassa normativas e assujeitamentos. Que estejamos cada vez mais conscientes sobre este poder que experienciamos em nós mesmos. Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim...poder sobre si que nos responsabiliza e liberta! Abraço aí, obrigada pelo comentário e na mas tê!

      Excluir
    2. Exatamente, Daniela !

      Esse ajuste do que é exercer o poder, é o nosso desafio ético.

      Obrigado por ler e comentar !

      Excluir
  7. Poder de decisão que temos, usado bem... pode mudar toda nossa vida num segundo!!!
    muito bom texto!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exercício que não pode ser abdicado e a cada vez mais conscientemente exercido. Quanto não cabe a nós mesmos mudar?!...
      Obrigada Walkiria!

      Excluir
    2. Isso, Walkiria !

      Muda tudo se usado para o bem ou para o mal. O poder é pura energia de realização, portanto impessoal. O seu uso é determinado pelo grau de consciência de cada um.

      Obrigado por ler e comentar !

      Excluir