quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 38 - Por Luiz Domingues

No dia da sessão de gravação do grande Manito, que imortalizou um sax sensacional em "Sunshine"

E foi então iniciada a segunda etapa das gravações. Com baixo; bateria; e muitas bases de teclados e guitarra prontas, começamos as sessões de gravação de solos.  

Foram dias memoráveis de gravações.

Muitos momentos mágicos de inspiração por parte do Rodrigo e do Marcello, fazendo solos infernais de guitarra, e teclados, ambos. 

Lembro-me bem de uma sessão onde o Rodrigo gravou o solo de "O Pote de Pokst", utilizando uma câmera de eco Ecoplex, aquela bem típica dos anos setenta. 

Ele a usou em partes de efeitos, onde sua guitarra simulou ruídos de pássaros, gaivotas para ser preciso, deixando o final da música bem emocionante, e à altura das tradições melódicas do Rock sessenta/setentista. 

E começaram a gravar também, os convidados do disco.



Lembro-me bem da presença da vocalista Alexandra "Xandra Joplin", que veio gentilmente de Santos, no litoral do estado, para colocar sua voz nas músicas "Sunshine", e "Terra de Mutantes".  

Numa sessão ocorrida num domingo à tarde, Paulo Zinner, e o técnico de som, Daniel "Lanchinho", gravaram percussões na música "Ser".
 

Paulo gravou um micro solo de timbales, enquanto o Daniel tocou uma Conga bem "nervosa", simultaneamente. 

Mas o dia mais emocionante nas sessões de convidados, certamente foi quando o Manito apareceu para gravar um solo de sax, na música "Sunshine". 

Realmente, foi muito bonita a participação dele. Ele gravou em take único, sem ao menos ouvir a música previamente. 

Fez um solo de arrepiar, e continuou fazendo frases na parte final, numa intervenção que não era prevista por nós, mas ficou tão lindo, que deixamos assim na edição final da mixagem.
Eu, Luiz Domingues; Manito; e sua esposa, ouvindo o resultado da gravação de seu solo.

Gravadas todas as partes instrumentais, finalizamos os vocais com tranquilidade. Já na metade de fevereiro de 2000, estávamos no processo de mixagem em andamento. 

A ideia dos convidados foi do Júnior, e os esforços de pré-produção, idem. O Paulo Zinner foi fácil e lógico, pois estava produzindo o disco. 

O Daniel "Lanchinho" foi uma opção inesperada que deu certo, pois até então nem sabíamos que ele era músico, e "pilotava" congas com desenvoltura. 

Já no caso da Alexandra, era uma observação antiga do Júnior que já a conhecia vendo-a atuar como Janis Joplin cover.
 
 

E quando fomos tocar na cidade de Praia Grande, no início de 2000, ela estava presente, e foi feita uma troca de contatos. 

E o Manito, foi um pouco mais trabalhoso, mas deu certo, ainda bem.

Lembro-me bem que por uma certa imprudência de nossa parte, amigos apareceram na sessão em que o Manito iria gravar sua participação, e ficamos sem jeito para pedir-lhes que se retirassem. Dessa forma, o estúdio lotou de curiosos, indevidamente. 

Isso foi desagradável, claro, mas o Manito, super experiente que era, nem se intimidou, e gravou a sua participação com a exuberância de sua condição de virtuose que era.

                     Ricardo Schevano; Rodrigo Hid, e Manito              

Todos os vídeos das gravações do Chronophagia ficaram com o Júnior, e pelo que eu saiba, ele ainda não providenciou a digitalização desse material. 

Tendo novidades sobre isso, reabro os capítulos concernentes à essa etapa do relato, e os acrescento, naturalmente. 

As sessões de gravação foram amplamente filmadas, e daria para fazer um documentário só falando desse disco. Isso inclui a participação do Manito, e seu sax inspirado.
Da esquerda para a direita : Luiz Domingues; Manito; Rodrigo Hid; Marcello Schevanno; Rolando Castello Junior, e Paulo Zinner

Continua...

  

2 comentários:

  1. muito legal saber da participação do grande in memorian Manito e grande singer Xandra Joplin.No caso grande Manito , em 2010 estive no teatro da omsp no bairro do Tauapé onde o Som Nosso fez o som.Como cheguei antes,deu para dar um abraço no Pedrao Baldanzã( ja o conhecia pessoalmente antes em 2009,onde lembrou de mim ).Nees tempo que estavos conversando o grande Manito chegou perto e tambem educadamente me cumprimentou ( tinha vindo bar , acho que foi tomar tomar um café ).Deposi dessa noite ele ainda iria ter uma apresentação nesse local na seguinte seguinte com sua Banda a la Blues Jazz .Deposi fiquei sabendo pela net do seu falecimento.Nao sabia que era dele o som do Sax, obrigado pelas informações grande Luiz Domingues e como sempre um otimo detalhista .abraços .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que legal saber que surpreendeu-se com tal revelação. Sim, de fato, foi o Manito que imortalizou aquele sax sensacional na nossa regravação de "Sunshine".

      Muito bacana a história que contou sobre o Pedrão Baldanza.

      Continue acompanhando que vem mais histórias legais da Patrulha !

      Excluir