domingo, 28 de setembro de 2014

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 58 - Por Luiz Domingues


O próximo show que fizemos foi igualmente muito inusitado pelas circunstâncias.

Através do Rodrigo Hid, que conheceu um pessoal que iria lançar uma revista sobre tatuagens no mercado editorial, fomos convidados a tocar no cocktail de lançamento de tal órgão impresso. 

O inusitado foi o local escolhido para a festa, o Ton-Ton Club, uma casa tradicionalmente focada no universo do Jazz, onde uma banda de Rock, ainda por cima, autoral, certamente ficaria deslocada.
O release oficial do álbum Chronophagia, escrito pelo jornalista Luiz Chagas, da revista "Isto é"

E como outra particularidade estranha, o palco era minúsculo, conveniente para pequenos combos jazzísticos, geralmente da formação clássica de piano; baixo acústico, e bateria. 

Inclusive, o piano de calda ocupava todo o espaço, praticamente. Sendo assim, foi uma ginástica e tanto para acomodar o equipamento no palco, e pior ainda na hora de tocar ao vivo. 

Para piorar, a falta de espaço causou um acondicionamento cênico esdrúxulo. Eu, Luiz Domingues; Rodrigo Hid, e Marcello Schevano ficamos tão próximos um do outro, que nossos movimentos corporais ficaram muito limitados.

Qualquer vacilo e o headstock das guitarras, e do baixo poderia atingir o companheiro ao lado, causando um estrago... 

Além disso, outro incômodo foi gerado quando o técnico de som da casa veio nos dizer que o nosso volume era absurdo para os padrões da casa, e que temia que pudéssemos constranger o público com aquela volúpia sonora inadequada aos padrões a que estavam acostumados. 

Era inusitado, pois não tocaríamos ali por livre e espontânea vontade em circunstâncias normais. Estávamos ali por conta do convite da revista, enfim...

Reduzindo o nosso volume a um nível drástico e muito desconfortável para nós, mesmo assim, víamos que o técnico e o gerente da casa estavam irritados conosco, gerando um clima tenso, infelizmente. 

Apesar de tudo, demos o nosso recado ao público de aproximadamente 80 pessoas que compareceram ao Ton-Ton Club, na noite de  25 de setembro de 2000.

E o nome da revista era "Tatuar". Não faço ideia se ainda exista nas bancas, pois com todo o respeito aos tatuadores e tatuados, eu não me interesso nem um pouquinho por esse assunto...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário