terça-feira, 23 de setembro de 2014

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 44 - Por Luiz Domingues



Eis a lista contida no encarte :

1) Sendo o Tudo e o Nada  - Som Nosso de Cada Dia

Realmente, havia muito do Som Nosso, nessa canção prog, cheia de partes, e principalmente na parte final, com os backing vocals sendo cantados em falsete, numa vocalização com elementos de Soul Music, em pleno Rock Progressivo. 

Quem melhor fazia essa junção impensável, do que o Som Nosso de Cada Dia ? 

2) Tudo Vai Mudar  -  Humble Pie/ Steve Marriott

De fato, todo o conceito do Riff em que se construiu o refrão, era muito a cara do Rock branco e inglês do Humble Pie, e de seu guitarrista Steve Marriott, cheio de influência do R'n'B negro e americano...

3) O Ritual  -  Blind Faith

Essa música tinha um mapa muito semelhante ao da canção "Presence of the Lord", do LP único do Blind Faith. 

Convido o leitor a ouvir as duas e comparar.



4) Ser  -  Grand Funk Railroad 

A energia desse Hard-Rock era tanta, que caberia no "disco vermelho" do Grand Funk. Eu incorporei tanto essa ideia, que o glissando (efeito estilístico no qual o músico passa o dedo pela corda, escorregando pelos trastes, sem se preocupar em definir nota alguma, mas deslizando sobre várias ao mesmo tempo), violento que dei no disco (e sempre reproduzi ao vivo), remetia ao baixo do Mel Schacher diretamente . Ouça e pense sob esse ponto-de-vista. 


5) O Novo Sim  -  Luiz Carlini 

Achávamos essa canção, a cara do Tutti-Frutti. Até a parte da flauta que remetia ao Jethro Tull, numa primeira leitura, na verdade era bem o velho TF do ótimo Carlini. 

6) Sunshine  -  Arnaldo Baptista

Ha ha ha...essa parecia mesmo Patrulha do Espaço com o Arnaldo...



7) Retomada  -  Keith Richards 

Pensávamos sempre nos Rolling Stones quando tocávamos essa canção. Justa portanto, essa homenagem ao mestre Richards. 

8) Céu Elétrico  -  Procol Harum

Poderia lembrar diversas bandas Prog-Folk, mas acredito que o som do Hammond nos levou à delicadeza sublime do grande PH. 


9) Eu Nunca Existi  -Austin Powers

Essa foi uma sugestão irônica do Rodrigo, da qual nunca curti. Tudo bem, acho os filmes e o personagem Austin Power divertidos, mas não acho que tenha sido uma grande escolha, pois deixou uma indicação dúbia. Parecia indicar uma ironia, e eu preferiria que tivesse seguido a linha das demais. Se fosse dedicada ao Iron Butterfly, ou Vanilla Fudge, teria sido mais conveniente, a meu ver. 



10)  Alma Mutante  -  Yes

De fato, tem elementos prog, próximos da sonoridade do Yes, mas tem também uma convenção criada pelo Rodrigo, que por usar uma escala cromática, também remetia ao Wings. Tire suas conclusões... 


11)  Nave Ave  -  Mutantes

Aqui também haviam divergências. O Júnior achava a parte "A", super Elton John. Em vários shows, ele ao anunciá-la, chegou a brincar, dizendo que tocaríamos "uma do Elton a seguir". Eu por minha vez, achava similaridade com o Traffic. Na minha concepção, poderia estar em qualquer álbum daquela magnífica banda, na fase pós "John Barleycorn Must Die". Mas de certa forma, tinha algo do Mutantes fase prog, também.



12 ) O Pote de Pokst  -  Led Zeppelin

Aqui não haviam dúvidas. Uma balada épica com elementos folk; mesclados à um acento bluesy; com direito a improvisos, e com letra cheia de misticismo, magia etc. E nos shows, os improvisos geralmente arrancavam suspiros do público, com climas Zeppelinianos fantásticos. Os meninos só não usavam o arco de violino nas guitarras, mas o clima era o mesmo. 


13) Spaced  - Timothy Leary

Essa faixa era um micro solo de bateria que a partir daí, virou uma praxe nos discos da Patrulha da nossa formação. Sempre que a sessão de bateria se encerrava, o Junior pedia para o técnico gravar mais um take, com ele sozinho criando um solo. A ideia era boa de fato, e a escolha do nome da canção, remetendo à loucura, e também dubiamente ao caráter espacial da origem da nossa banda, também era boa. Quanto à homenagem, diante de tanta loucura, ninguém melhor que o velho Tim Leary para ser lembrado/evocado... 


14) Terra de Mutantes  -  Leon Russell

Aqui a impressão era unânime: Leon Russell, fase Mad Dogs and The Englishmen na cabeça, e não se discute mais isso !! 


15 ) Sr. Barisky (Admirável Sonhador) -  Paul McCartney

Bem, era uma típica canção Beatle, não era ? 


16) Epílogo - Cosmos

O Marcello quis algo diferente nessa música instrumental de violão. Pensamos em Steve Howe, e tantos outros nomes plausíveis nesse caso, mas a decisão dele foi respeitada, e ficou mesmo para o "Cosmos" (não o do Pelé, tampouco o do Carl Sagan...).


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário