domingo, 28 de setembro de 2014

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 56 - Por Luiz Domingues


Estávamos animados com essa sequência de shows, mas tínhamos mais a comemorar. 

Isso porque começaram a pipocar as resenhas do CD Chronophagia pela imprensa escrita, e eram amplamente positivas.  

Até na Folha de São Paulo, que tradicionalmente é território hostil aos simpatizantes do Rock 60/70, recebemos uma suposta boa crítica, se bem que no limite do que eles poderiam falar, sem ferir seu juramento de fidelidade ao manifesto de Malcolm McLaren...

Disseram que era inegável que tocávamos bem, mas nossa aposta nos anos setenta se refletia até na capa, que remetia à Brain Salad Surgery, do Emerson, Lake & Palmer. Evidentemente que nos padrões estéticos deles, isso era pejorativo, como frisou um de seus ídolos oitentistas ("Fuck Emerson; Fuck Lake and Fuck Palmer"...alguém se lembra dessa infâmia dita por um admirador de Sid Vicious ?). 

E só acrescentando, o crítico da Folha só malhou aonde a estética chocou com seus valores comprometidos pela lobotomia de 1977. A duras penas, teve de deixar claro que tocávamos bem... 

Mas para nós, era um baita elogio, com o tiro saindo pela culatra do detrator. 

Brain Salad Surgery é um tremendo disco do ELP, e quero que se dane essa gente que comprou essa mentira, e idolatra um idiota que notabilizou-se indevidamente por não saber tocar. 

Fuck Sid, Fuck Vicious...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário