sábado, 1 de março de 2014

Autobiografia na Música - Sala de Aulas - Capítulo 12 - Por Luiz Domingues

 

Uma das coisas bizarras que surgiram nessa fase do primeiro semestre de 1988, foi a invenção dos "Indoor Games".

O Carlos Fazano (He Man), que não era aluno, mas batia o ponto todo dia lá, apareceu com uma bolinha de tênis certo dia, e começou a usá-la como bola de basquete, ou mesmo bilhar, tentando arremessá-la e encaixá-la em espaços inusitados da sala de estar da casa do Beto, onde a "nova Chave" ensaiava, e eu ministrava minha aulas.

 Carlos Fazano em foto promocional de sua carreira solo, em 1995

No início, pedi para parar com isso, mas no auge de seus 14 anos, e com temperamento rebelde, foi me ignorando, e de tempo em tempo, o "cazzo"da bolinha me assustava e ao aluno, batendo em algum lugar ...


Foi uma das primeiras demonstrações de indisciplina na minha vida de professor, e ao longo de 12 anos, tive poucas, pouquíssimas ocorrências de insubordinação... 

Então, para neutralizar a rebeldia e revertendo o quadro, tornei aquilo um lazer extra de "recreio" em minhas aulas, e "oficializei" a palhaçada, criando regras esdrúxulas !!

Confesso que passei a me divertir também...

E novos jogos ridículos foram criados, com a criatividade solta, e a todo vapor dos adolescentes (e alguns nem tanto, também)...


Golfe indoor, basquete, arremesso de disco...e logo virou uma micro Olimpíada claustrofóbica, ridícula e hilária.

E tomou também as dependências do quintal da casa, onde futebol; volley de varal de roupas, e basquete com baldes servindo de cestas, se incorporaram aos "jogos"...

Ha ha ha !!

E assim, nos intervalos entre as aulas, a algazarra estava formada e dela, tirei uma lição que muito me ajudaria nos anos posteriores, ao notar que o convívio lúdico entre os alunos, aumentava a sua capacidade de aprendizado.

Mais para a frente, contarei sobre os campeonatos de futebol de garagem que organizei entre 1994 e 1995.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário