sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Floresta - Por Julio Revoredo


Na floresta esquecida, arde um cego espelho espectral

Que desangila o complexo axial.


Onde sete vezes 666, desprende a noção das asas, onde retoma o cnossos e a mulher nua e colorida, nos sonhos voláteis e fosmeos.

Na floresta oclusa, há um espelho cheio de folhagens, sombras e imagens que a solidão não suportou.

Como olhos fixos a turba desmontada, e a câmera reminada, virada para os resquícios de luz, que a prescutarão ao agora, como ecos de um distante e frouxo verão.






Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde atuei : A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço.

Neste poema, suas imagens de uma floresta, são bem mais complexas do que a floresta em si poderia transparecer. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário