sábado, 16 de janeiro de 2016

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 135 - Por Luiz Domingues



         Pedra em Ribeirão Preto em janeiro de 2009. Acervo de Junior Muelas

Passada a tentativa de ter-se uma abertura sem precedentes numa revista de circulação nacional do mainstream, e já sabendo que não lograria êxito por fatores alheios à nossa vontade, e também da parte do jornalista Sérgio Martins, estávamos novamente encarando a nossa realidade underground e permeada pelos seus obstáculos inerentes. Os meses de fevereiro e março foram escassos em oportunidades, só havendo um show, e logo mais falo dele. O que animava-nos um pouquinho eram as matérias e resenhas exaltando o CD Pedra II, mas naquela altura, com a internet solidificada e a maioria das pessoas gastando seu tempo nas Redes Sociais, notadamente o Orkut (este já desgastado em 2009, é bem verdade, mas ainda com relativa força), publicações impressas tradicionais estavam perdendo espaço, e sendo assim, uma boa resenha era comemorada por nós, logicamente, mas não repercutia como em épocas passadas, infelizmente. Eis alguns exemplos :



 
1) Roadie Crew n° 120 

Logo no início de 2009, numa enquete promovida pelos colunistas da revista Roadie Crew, o jornalista Antonio Carlos Monteiro citou-nos duas vezes entre os melhores de 2008 em sua opinião, nas categorias "melhor álbum" e "melhor capa".
2) Roadie Crew nº 123

"O som é calcado no Rock dos anos 60 e 70, com o maravilhoso órgão Hammond, à frente - se bem que a turma não se constrange em colocar em vários momentos aquele groove gentilmente cedido por gêneros como Soul Music e Funk. Já as letras são em português e vez por outra enveredam por temas que tem tudo a ver com a psicodelia dos mesmos anos 60 e 70. E aí que vem a questão : como fazer tudo isso funcionar sem soar datado, sem gosto de comida requentada ou cheiro de naftalina ? Pois é isso o que faz o segundo disco do quarteto paulistano ser especial ser especial. Rodrigo Hid (guitarra, vocal, violão e teclados), Xando Zupo (guitarra e vocal), Luiz Domingues (baixo e vocal) e Ivan Scartezini (bateria) são veteranos na cena rockeira brasileira, e já aprenderam, na base da abnegação, do sacrifício e de uma autêntica paixão pela música, como operar esse tipo de, digamos assim, pequeno milagre. Então, "II" consegue evocar aqueles tempos que, para muitos, foram determinantes e inesquecíveis na história do Rock deixando claro que se trata de uma produção do Terceiro Milênio. Ousado, o Pedra se permitiu até mesmo abrir o disco com "Filme de Terror", tema do "maldito" Sérgio Sampaio, compositor à frente do seu tempo e que jamais conseguiu o seu devido reconhecimento.
Como se o repertório impecável, a execução irretocável, e até uma produção eficientes não bastassem, a banda ainda se deu ao luxo de ser diferente na "embalagem", que vem em formato inovador e traz uma história em quadrinhos assinada pelo ilustrador Diogo Oliveira.

Nota 9,0"

Antonio Carlos Monteiro 


Bem, já falei diversas vezes ao longo da minha autobiografia que tenho muita consideração, respeito e admiração enorme pela categoria do jornalista Antonio Carlos Monteiro. Ele, nessa altura, 2009, já acumulava muitas resenhas de discos meus em bandas diferentes, desde 1985, sempre enxergando com olhar clínico cada obra, e com isenção ética exemplar, visto que nossa amizade pessoal desde os anos 1980, nunca obscureceu sua opinião sobre qualquer resenha, entrevista ou matéria que escreveu sobre trabalhos que realizei, e não foi diferente nessa resenha do CD Pedra II. Outro ponto que já destaquei quando citei-o em capítulos anteriores, é o fato de que por trabalhar em publicações mais fechadas no nicho do Heavy-Metal (Revista "Metal"; Revista "Rock Brigade" e Revista "Roadie Crew"), Tony Monteiro tinha por hábito situar ao seu leitor padrão, duas questões que são verdadeiras obsessões para os adeptos do Heavy-Metal : cantar ou não em português; e aparentar ser "datado"...
Não era culpa dele, naturalmente, mas compreendo a sua necessidade de sempre tocar nesses dois pontos que são nevrálgicos para os amantes do Heavy-Metal, e só lastimo que isso fizesse-o perder espaço na lauda a que tinha direito, para poder eventualmente falar de outros aspectos do nosso disco, e sei que ele gostaria de assim proceder. Fora isso, só tenho a agradecer por uma resenha tão bem escrita e enaltecendo a nossa obra.
3) Revista Guitar Player nº 155

"Se o trato visual de um disco fosse suficiente, Pedra II estaria no topo das paradas. A banda caprichou e colocou o CD dentro de uma história em quadrinhos. mas, como o que conta é a qualidade das músicas, vamos em frente. No caso do Pedra, a banda já havia mostrado a sua competência no trabalho anterior. A banda é a mesma : Rodrigo Hid (guitarra , voz e teclados), Xando Zupo (Guitarra , voz), Luiz Domingues (baixo e voz) e Ivan Scartezini (bateria). Os principais compositores das 12 faixas, são os guitarristas Zupo e Hid, mas há faixas de outros músicos, como "Filme de Terror", de Sérgio Sampaio- figura lendária da música brasileira. Tudo bem que há o "II" no título do disco, mas Pedra II vai além de apenas uma continuação.Está repleto de boas ideias e vitalidade. A sonoridade do repertório está mergulhada na sonoridade dos anos 1970. O Rock do Pedra mantém seu peso, mas ganha o groove de Soul, a ginga do baião, pitadas de Folk e a sombra do Deep Purple. Se "Rock'n Não" tem um solo cuspindo faísca, a balada "Longe do Chão" se desenrola no belo riff amarrado por um solo denso. A dobradinha de solos em "To Indo a Mil", também ficou legal. No miolo do disco está a instrumental "Megalópole", que emoldura alguns dos predicados técnicos da banda. O suingue da levada nos encara a encarar a saraivada de solos. O clima é meio Tommy Bolin. Depois, Zupo e Hid se alinham em uma elegante sequência de guitarras harmonizadas. Uma música que chama atenção".

H.I.S.


Uma excelente resenha escrita pelo colunista cujas iniciais não consegui identificar (desconfio tratar-se de Henrique Inglêz de Souza). Exaltou a capa; a sonoridade; o potencial técnico e a qualidade das músicas, além de enaltecer a ideia de ter uma releitura de Sérgio Sampaio. Revista especializada em guitarra, claro que prestou mais atenção nesse quesito e seus protagonistas em nossa banda, caso de Zupo e Hid. Mas ao contrário do que pensar-se-ia, não exagerou em analisar com minúcias tal quesito, e sua resenha foi construída num formato tradicional, sem ater-se apenas à performance dos guitarrista e seus equipamentos e instrumentos usados etc etc.
4) Revista Rock Brigade nº 259

"A alquimia ficou popular por misturar elementos da química, física, astrologia, arte, metalurgia, medicina, misticismo e religião. E a música, seja como límpida expressão artística ou como força particular interior, continua cada vez mais como uma espécie de elixir da vida. Seja na tradição da Yoga ou da própria alquimia, a busca do elixir da imortalidade provém de práticas de purificação espiritual- que pode ocorrer através da música. Num mar de energias e emoções, a música da banda Pedra transmuta metais inferiores em ouro; criando uma panaceia musical universal. Se depender dessa Pedra II, todos os males musicais que atormentam o mundo atual serão erradicados de forma sublime e prazerosa. Os capitães dessa missão são Rodrigo Hid (violão, guitarra, teclados e voz), Xando Zupo (guitarra e voz), Luiz Domingues  (baixo e voz) e Ivan Scartezini (bateria e voz). Em seu segundo registro, o Pedra traz um som único, esbanjando frescor pelos poros, como na instrumental, "Megalópole", ou no clima único de "Longe do Chão", uma faixa com mais de sete minutos de pura inspiração e com uma linha de baixo como há muito não se vê por aí...
"Projeções" tem um leve aroma de Rock Rural, só que com um viajante som de cítara para embalar; enquanto que "Jefferson Messias" nos remete aos deliciosos e incomparáveis anos sessenta. Se recusando a ficar amarrado nas influências do passado, o Pedra avista o horizonte com "Letras Miúdas", se recusando a acreditar em algo que não venha do coração. Outra agradável surpresa é a versão da banda para a clássica "Filme de Terror", peça chave da carreira de um dos nossos maiores compositores, Sérgio Sampaio. Falando em música brasileira, "Meu Mundo é Seu" é um exemplo vigoroso da qualidade da música que continua sendo cunhada aqui na Terra do Sol. Acompanhando as vibrações sonoras, o Pedra alarga ainda mais as possibilidades interativas desse novo ainda século, fornecendo também uma história em quadrinhos que acompanha o CD, cortesia do artista multimídia, Diogo Oliveira. Para esse grupo paulistano, a busca pela Pedra Universal, ou pelo Santo Graal chegou ao fim. Não é exagero dizer que Pedra II é a Opus Magna da banda; ou seja, sua grande e mais definitiva obra".

B.A.


Bem, aqui eu sei quem é o resenhista e "B.A." designa Bento Araújo, um jornalista Top que eu admiro muito e tenho o prazer em ter amizade pessoal. Editor da espetacular revista Poeira Zine, nessa época assumira o cargo de editor da revista Rock Brigade, que passava por profunda reformulação em sua redação. Alheio aos maneirismos do mundo do Heavy-Metal, que sempre caracterizaram a linha de conduta dessa publicação, Bento não ateve-se aos paradigmas típicos de jornalistas desse nicho, tampouco de seus leitores padrão, portanto, não tocou em tópicos "tabu" como o fato de "cantarmos em português", ou sermos ou não "datados"...
Sendo persona fora desse nicho, tais questões nem passavam pela sua cabeça e assim, sua resenha foi escrita como se estivesse publicando em outro tipo de revista, quiçá na sua própria, o Poeira Zine. Outro fato a ser destacado, que esta resenha é uma das mais poéticas que já li. Inspirado ao extremo, fez várias citações subliminares a trechos de letras de nosso disco, evocando aspectos místicos, sendo assim, sua linha mestra de raciocínio, falando em alquimia / busca da elevação via Santo Graal, justificou-se. Indo além, creio que a inspiração nesses aspectos, digamos, "iniciáticos", ficou muito bonita a meu ver, embora faça a ressalva que o Pedra nunca desfraldou tal bandeira, e se havia misticismo embutido na nossa obra, era sutil e perpetrado pelas letras do Rodrigo nesse sentido, poucas aliás, pois o Xando não gostava dessa linha de criação. Mas em suma, gostei muito que o jornalista Bento Araújo tenha tido essa visão do Pedra II e convenhamos, apesar de alguns aspectos destoantes, há sim um misticismo implícito, não só pela canção "Projeções", mas também pela capa em alguns signos desenhados pelo Diogo Oliveira, principalmente a mandala. Sobre as considerações mais musicais, Bento foi preciso e isso não surpreendeu-me, pois sabia de antemão e de muito tempo, de sua avassaladora cultura sobre o Rock das décadas de sessenta e setenta e por isso, era óbvio que sua antena aguçada "pescaria" diversas influências nas nossas músicas e arranjos, nesse aspecto.
Por fim, quase um voto de esperança para que o Pedra atingisse seus objetivos, mas estendendo à uma súplica para que dias melhores viessem para a música (e se em 2008 / 2009 estava difícil de aguentar o panorama mainstream, o que dizer de 2016, quando escrevo este trecho e vemos com estupefação uma queda vertiginosa em relação ao panorama da época que citei ?). É um teste de resiliência e tanto para quem cresceu absorvendo a música em geral e o Rock em específico, sob patamares estratosféricos...
Não porque falou bem, pois o leitor atento que leu toda a minha autobiografia, sabe muito bem que eu aceito crítica negativa, desde que com embasamento e senso construtivo, mas esta resenha foi uma das melhores que já tive sobre um trabalho meu, e creio que para o Pedra, também em sua história.
5) Revista Guitar Player nº156 

Uma excelente entrevista específica com nosso guitarrista Xando Zupo, onde perguntas técnicas foram feitas, honrando as tradições de uma revista setorizada, obviamente, todavia, com bastante espaço para o artista falar de aspectos mais subjetivos da criação da banda e do novo álbum como foco, naturalmente.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário