quarta-feira, 22 de julho de 2015

Per + Turba - Por Julio Revoredo


Obra ópera sem som

Avant la lettre

Som sem ópera obra

Brilham os parafusos

Abre-se o paraquedas

Sábado no Parque Xanghai

O olhar dilui-se em cores mutantes e fosmeas e fosmeas, arena

A aranha tece o jogo do fogo, selvagem, na areia.

Obra mestra, sob o olho-santo, especular

Desvario, ao risto

Suspensão, eixo, solidão, fluxo, mergulho incônscio

Voo sem asas consciente, chato, sendo incomodo, de tímido modo, sendo e sem a máscara, ananda

Super 8, super 8, super 8, super 8, spray, 1967

Obra ópera sem som

Elástico, plástico, mudo, sendo incomodo aos outros, mas livre perturbação 




Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde atuei : A Chave do Sol; Sidharta e Patrulha do Espaço. 


Neste poema, nos fala sobre signos musicais avantgarde, e o dedica ao grande maestro Rogério Duprat.

Nenhum comentário:

Postar um comentário