quarta-feira, 1 de julho de 2015

Da Hipérbole - Por Julio Revoredo


A mascara da hipérbole

Eixo mecânico de um axifugo

A transposição para uma emulsão

Jogo atraente, do que ruinico

A memória da água

O som do solo

O espelho seco do flume

Então, bebe-se o olhar de Tiresias

Isso é um voo

Degrada-se a máscara

Consagra-se a hipérbole

Do lívido, toma-se o absinto

Cummings

Bacon e vestais

Ora Tirteu, ora Píndaro

O Sol e Lewis

Ulysses

O mar
 

Joyce

Ísis

A dislogia e a luz

As crises

A hipérbole da máscara

A máscara da hipérbole



Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas canções em que trabalhamos juntos em parceria, em trabalhos de bandas onde atuei, como : A Chave do Sol; Sidharta e Patrulha do Espaço.

Neste poema, evoca a memória sutil do inconsciente coletivo, onde estão registradas os pensamentos deflagrados por ícones que passeiam entre a mitologia e a literatura. 

2 comentários:

  1. Uau! Muito bom e pertinente nesses tempos...confesso que recorri ao dicionário...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal a sua participação, com comentário.

      De fato, o Julio tem como característica a exploração total de imagens em seus poemas, evocando um olhar de artista plástico para usar as palavras. É seu estilo também, o uso de palavras não usuais no coloquial do cotidiano.

      Grato por ler e e comentar !

      Excluir