sexta-feira, 31 de julho de 2015

Lágrimas de Março - Por Marcelino Rodriguez

Hoje gostaria de escrever uma lágrima, ou pintá-la. 

Que fosse redonda, substancial, lenta de cair, dependurada nos olhos. 

Sim, eu queria chorá-la. 

A sinto em mim, mas ela teima em não nascer do guerreiro cansado. 
Meu corpo pesa como asas molhadas no temporal. 

A última ternura que veio, fora de meus cães, tão distante vai que esqueci-me. 

No mundo da escuridão, os filhos de Deus sofrem para crescer entre os demônios humanos que de tudo tomam conta e sabem, menos do amor e de amar, primeiro e segundo mandamentos ignorados. 

Essa lágrima, se caísse, seria dádiva.

Qualquer mulher a choraria, fácil, fácil. Todavia, em mim ela seca, oprime, em vão pedindo libertar-se. 

Um pouco mais sairei para os combates, com meu coração invisível aos olhos, apodrecendo seus tesouros subutilizados. 

Amor e alegria, ambos crucificados no tempo. 

Porém, é preciso por o site no ar...

E a mulher do sonho da noite, que me fitava com admiração ? 

Ah, era apenas um sonho, e nos tempos que correm, cada vez os sonhos são apenas sonhos, nada mais. 
 





Texto do livro "MAIS VAZIO QUE O PARAÍSO" 



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, aqui nos traz uma pequena crônica extraída de um de seus livros, "Mais Vazio que o Paraíso". 

A lágrima que teima em não cair, fruto da brutalização do homem, é o tema dessa crônica.

2 comentários:

  1. É triste quando ainda vejo alguns pais dizerem aos seus meninos, que homem não chora. Quanta bobagem! Chorar alivia as dores da alma.
    Lindo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem por aí, Jani. Sociedade tola que aculturou uma ideia ridícula de que ter sensibilidade é sinal de fraqueza.

      Grato por ler e comentar !

      Excluir