sábado, 3 de outubro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 41 - Por Luiz Domingues

Então, no dia do ensaio da banda cover de Bento Araújo, estávamos em peso no Overdrive estúdio, e fizemos a abordagem ao Ivan Scartezini. Ele em princípio mostrou-se muito receptivo, e só alertou-nos que tinha além do trabalho cover com Bento Araújo, outra banda, onde era side man.

 
Tratava-se da banda de apoio do compositor, cantor e vocalista, Denny Caldeira, que levava com labuta e dificuldades a sua carreira solo. Não recordo-me ao certo, mas acredito que já no dia seguinte ele deu sinal afirmativo e daí, já estava 100 % imbuído no trabalho de tirar as 11 músicas do nosso primeiro CD que estavam prontas.
Um primeiro ensaio foi marcado ainda em março de 2006, e foi espetacular o desempenho dele. Não só havia decorado todas as músicas, como trouxe enriquecimentos incríveis. 
Ou seja, coisas que gostaríamos que o Alex Soares tivesse feito, e ele não fez na gravação do CD, por "pisar no freio", propositalmente. Sendo assim, as músicas cresceram demais e nós lamentamos que ele, Ivan, não estivesse conosco desde o início.
Isso fora o fato concreto dele ter um astral ótimo e estar sintonizado na nossa vibração, como o Alex infelizmente nunca esteve. Em dois ensaios, ele estava pronto para tocar ao vivo, e parecia estar conosco realmente desde o começo.
Primeira foto promocional com Ivan Scartezini efetivado na banda, em 2006. Foto de Grace Lagôa
Sobre o Ivan ter ido ensaiar lá no Overdrive com a banda cover em que tocava, foi uma sorte oportuna e muito grande ele aparecer lá, no exato momento em que cogitávamos seu nome para assumir o posto deixado pelo Alex. Mas independente disso, tanto eu, quanto o Rodrigo, o abordaríamos de qualquer maneira por telefone.
O fato dele ter ido ensaiar no Overdrive, só facilitou as coisas para nós, em suma. 
Quando o abordamos, ele realmente não esperava o convite. Deu para ver a mudança de seu semblante quando falamos. Ele não conhecia o repertório, mas ninguém conhecia, pois o Pedra ficou enfurnado no estúdio ensaiando e gravando, por quase um ano e meio, e salvo as exibições do Clip de "O Dito Popular" na TV, e poucas execuções radiofônicas, ninguém conhecia o trabalho. Claro que ficamos apreensivos sobre sua resposta. Quanto à nossa expectativa, apesar de confiarmos que ele gostaria do trabalho, a nossa dúvida estava no fato dele ter raízes de amizade com o Denny Caldeira, e rejeitar o nosso convite por não querer acumular trabalhos. Mas estávamos confiantes, em relação à nossa banda / obra. Dessa forma, em breve estaríamos imbuídos da determinação de finalmente começar a tocar ao vivo. Antes porém, preciso fazer um pequeno regresso para outubro de 2005. Pretendia contar isso no capítulo do Língua de Trapo, porque foi num show do Língua que essa conversa iniciou-se em 2005, mas acredito que faz muito mais sentido detalhar aqui, pois diz respeito ao Pedra, efetivamente.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário