segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Autobiografia na Música - Magnólia Blues Band - Capítulo 12 - Por Luiz Domingues


Em 11 de junho de 2014, Edu Dias, que sempre aparecia e dava canjas, era o convidado oficial, mais do que merecidamente.



Extremamente simpático, brincalhão e versátil na comunicação com o público, é na verdade um entertainer à moda antiga, dentro das tradições do Show Business americano de outrora, e que ainda existe por lá, nas casas noturnas e acopladas nos Casinos de Las Vegas, principalmente.  


E claro, havia o lado empreendedor dele, como um micro produtor de shows que era. Não era à toa que o Kim costumava brincar com ele, apresentando-o ao microfone, como Edu Dias o "Blues Entrepreneur", numa alusão clara à esse fato de sua personalidade multifacetada que abraçava esse lado empresarial na música, também.  


Foi super divertida a noite como sempre que ele aparecia, e desta feita como atração principal, ainda mais.

Uma semana depois, dia 18 de junho de 2014, recebemos a figura carismática de Marcio Pignatari, um guitarrista versado no Blues-Rock.  

Muito engraçado no trato pessoal, enturmou-se conosco de forma instantânea, e me fez lembrar dos meus tempos no Pitbulls on Crack, tamanha a semelhança que seu jeito leve de ser tinha com meus companheiros naquela banda, em termos de bom humor.


"Right I Got the Blues" com Magnólia Blues Band + Marcio Pignatari

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Wu1GD8l9bTU

Mas evidentemente que não era só bom de piadas para provocar gargalhadas nas rodinhas de amigos, porque na hora que fomos tocar, mostrou um tremendo poder de fogo, pilotando sua guitarra Fender Stratocaster.

Tocamos com bastante desenvoltura, passeando entre os Blues clássicos e temas mais pesados, do Blues-Rock, também. 
Southbound"com Magnólia Blues Band + Marcio Pignatari 

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Wu1GD8l9bTU  

Oriundo da cidade de Osasco, era/é muito amigo de Edu Dias também, e assim, claro que nosso amigo em comum apareceu e também tocou sua gaita, e cantou nessa apresentação da Magnólia Blue Band.  

Com um público melhor do que o da semana anterior, foi também mais um fator de ânimo para todos.

Fechando o mês de junho, nosso convidado foi Paulo Toth.  

Muito educado, mas nem de longe piadista como Edu Dias e Marcio Pignatari, chegou com seriedade, trazendo um outro tom mais sóbrio para a noite do Quarta Blues.

"I'ain't an Superstitious" com Magnólia Blues Band + Paulo Toth & Edu Dias

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=75kQQEdHNY4

Atacando com uma guitarra Fender Telecaster, poderia sugerir com isso que traria a vertente mais caipira do Blues à tona, mas não, sua apresentação foi versada no Blues de Chicago, e passeou pelo Rock'n Roll, sem problemas.

Um professor de guitarra experiente, nos falou sobre seus projetos didáticos etc e tal.  
Entre a Gibson Les Paul do Kim, e a Fender Stratocaster do Paulo Toth, a Fender Telecaster também do Paulo, com a estilização que comentei, no seu braço

Uma curiosidade, sua guitarra estava estilizada com seu nome pintado no braço do instrumento, uma prática não muito usual entre a maioria dos guitarristas que conheço.

"Can't Be Satisfied" com Magnólia Blues Band + Paulo Toth + Edu Dias

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=VgAQw6inRqU

Nossa apresentação com Paulo Toth como convidado, ocorreu em 25 de junho de 2014.
Um fato engraçado ocorreu nos dias posteriores à sua participação conosco no Quarta Blues : demorou para ele perceber que eu tocara na Chave do Sol nos anos oitenta, uma banda que ele conhecia da época. Através do Facebook, conversamos sobre isso e foi engraçado ele só ter se tocado que eu era o mesmo baixista daquela banda, depois.  

Mas dá-se o desconto que envelheci mais de trinta anos em relação àquela época em que atuei nessa banda e principalmente, porque aboli o apelido pelo qual era conhecido, nesse tempo, portanto, gerando alguma confusão para pessoas que me acompanhavam naquela fase e perdendo o contato, não sabem o rumo que minha carreira tomou doravante, ignorando muitos trabalhos que fiz depois dessa banda encerrar atividades em 1987. 

Coisas da vida, tudo dentro da normalidade...

O próximo convidado da Magnólia Blues Band seria um grande ás da cena Blues brasileira, e de fato, toda a expectativa se cumpriu e sem exagero, superou-se na minha ótica.


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário