sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 51 - Por Luiz Domingues

Satisfeitos com esses dois shows iniciais, paralelamente já tínhamos a notícia de que alguns jornalistas tinham tido boa impressão sobre o nosso primeiro CD, e também pela forma criativa que encontramos para embalá-lo. 

Em off, um veterano critico musical que conhecíamos desde os anos oitenta, disse-nos que ficara impressionado com a diversidade sonora do trabalho, e também com a criatividade do encarte com inserções psicodélicas, e fotos com "atitude". 
Nesse quesito, acho que a necessidade foi realmente a mãe do invenção como dizia Frank Zappa, pois tudo em relação ao encarte foi precipitado pela urgência em definir um caminho e sobretudo pelo improviso, onde Rodrigo Hid teve o mérito de esforçar-se nesse sentido. 
Cabe aqui uma menção honrosa. Esqueci de mencionar, mas uma figura importante na conclusão desse lay-out final, que foi a do web designer e baixista, Fábio Mulan. Graças a ele, toda a formatação do texto, em termos de tipologia e diagramação, foi agilizada.
E o próximo show estava definido, aconteceria numa casa noturna chamada "Blackmore", localizada no bairro de Moema, na zona sul de São Paulo.  
Para quem não conhece São Paulo, o "Blackmore" é mesmo referência ao guitarrista do Deep Purple, Ritchie Blackmore, e a casa tem tradição de fazer shows de Hard Rock e Heavy Metal, predominantemente, e até já promoveu shows internacionais (de memória, lembro-me de Joe Lynn Turner, ex-vocalista do Rainbow e com passagem rápida pelo Deep Purple; Nicky Simper, primeiro baixista do Deep Purple, e John Lawton, Ex-Lucifer's Friend e Uriah Heep). 
Novamente dividiríamos a noite com o Carro Bomba e fizemos um esforço interessante de divulgação, inclusive com inserções de chamadas radiofônicas, e um bonito cartaz que fizemos, bem colorido à moda psicodélica dos anos sessenta.
A casa tinha uma estrutura boa de palco; som e luz, e dessa forma, mesmo sem a presença de nosso técnico, Renato Carneiro, estávamos seguros de que entender-nos-íamos com o técnico do estabelecimento, e faríamos um bom show, como houvera sido no Café Aurora. 
Era um dia útil, mas como estávamos vivendo época de Copa do Mundo, o clima era de dias úteis relaxados; com aulas suspensas, comércio trabalhando em ritmo brando etc. Eu estava com um problema familiar já há alguns meses, com o caso de uma prima minha muito doente. O vai e vem ao hospital tinha intensificado-se desde março daquele ano de 2006, mas o que eu não imaginaria seria passar por uma situação limítrofe, bem no dia do show no Blackmore. O pior aconteceu infelizmente, e na madrugada daquele dia do show, minha prima faleceu, e com meus outros primos, irmãos dela, morando fora de São Paulo, eu tive que tomar a dianteira das providências funerárias, auxiliando meus tios, idosos e abalados, naturalmente. E eu também estava em frangalhos, pois apesar do estado dela nos últimos tempos ter degenerado-se ao ponto de não termos outra esperança, o choque da perda sempre atordoa e machuca, fora o fato de ser uma prima com quem tive estreita relação fraternal desde a infância, portanto, foi um soco no estômago. Em suma, pois não quero, e não vou entrar em detalhes aqui, obviamente, mas o fato é que o funcionário do hospital ligou-me por volta de 1:30 h da manhã para comunicar o ocorrido, e dali em diante, passei a madrugada cuidando dos trâmites e emendando no velório. Não pude acompanhar a cerimônia do crematório, pois seria no final da tarde, quando teria de estar no Blackmore, realizando o soundcheck. Pedi desculpas aos meus tios e primos; minha mãe; irmã e demais parentes e amigos da família presentes, e parti então, com a compreensão de todos. Claro, o cansaço era imenso, mas tiraria de letra após uma boa noite de sono. Contudo, o fato era que eu estava bem chateado com essa perda, e tive que fazer um esforço extra para não prejudicar a minha performance pessoal, tampouco a da banda, em meio à esse drama pessoal que enfrentava. Foi difícil, mas dei o meu melhor naquela noite. 

Todas as fotos deste capítulo, são de Grace Lagôa, com exceção da foto de Marinho "Rocker", extraída do banco de imagens da Internet.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário