sábado, 31 de outubro de 2015

Do Fundo do Tempo - Por Marcelino Rodriguez


A voz e a figura de Taiguara atingem-me via correio eletrônico, parecendo vir de um passado remoto, entranhado, porém, nos ossos e sangue da minha afetividade !
 

A mensagem veio pelo seu fã-clube, criado e administrado por suas filhas.  

A tecnologia unindo, enfim, dois companheiros separados pelo tempo.
 

Lembro-me de, menino, emocionar-me sempre que ouvia "Hoje" ou "Universo do teu corpo".
 

Era um momento mágico. "Esse é o cara que me entende", pensava. 

Mais tarde, descobri nele elementos de humanidade e civismo que mais me surpreenderam, pela identificação da sensibilidade e das ideias !
 

Era um grande companheiro,Taiguara ! 

Um homem raro !  

Ouvindo-o hoje sinto um pouco de tristeza, porque o futuro que ele sonhou não amanheceu no mundo, nem as crianças cantam livres sobre os muros, ensinado os homens a amar sem dores !
 

Sinto que perdemos, amigo ! 

Olho para os homens todos pensando para si, dispersados, alienados,
sombrios. 


E, no entanto, quero tocar a mão e alcançar-te.
 

Olhas-me, do computador, e quase sinto sua presença...
 

Não existe, amigo, o mundo que sonhamos. 

Esse mundo é só nosso, privilégio dos exilados ! 

Que me dirias do deserto de aço de hoje ? 

Do conglomerado de egoísmos ? 

Da mediocridade quase absoluta?
 

Não sei, amigo, o que dizer-te...  

Agora vejo-te em tuas filhas bonitas, morenas, filhas do continente...
 

Ainda com residência na terra, amigo, nós os que ficamos, cabe-nos resgatar em tua memória as lições de civilidade, fraternidade e beleza !
 

Em mim és histórico como as rochas ! 


23 de junho de 2004

Texto do livro "Bom Dia, Espanha !" (primeira edição esgotada). 



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, oferta-nos com mais uma crônica evocando a figura do saudoso compositor/cantor e pianista, Taiguara. 

Pode-se acrescentar o fato de Taiguara ter sido poeta também, e não temos dúvida de que sua música poética nos faz muita falta nos dias atuais, onde a MPB chafurda pela invasão da subcultura e/ou da anticultura.

4 comentários:

  1. Como não se emocionar com esse texto?
    "Não existe o mundo que sonhamos", mas felizmente não perdemos a memória.
    Abraços.

    Giulianella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Orgulho para este Blog ter um colaborador tão sensível no trato com as palavras...

      Grato pela participação entusiasmada, Giulianella !

      Excluir
  2. Belíssimo texto, ainda existe no nosso mundo vários Taiguaras e, um dia, esse sonho virará realidade.
    "O sonho não acabou"!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, o sonho só acaba para os conformados em viver o pesadelo !

      Grato pela participação e elogio ao texto do nosso colaborador, Marcelino Rodriguez !

      Excluir