sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 176 - Por Luiz Domingues


Trato feito, voltamos para São Paulo para nos recompor. 

Deixamos nossos roadies guardando o equipamento e instrumentos, e retornamos no final da tarde, prontos para o combate...

Não seria um show de Rock tradicional da Patrulha do Espaço, mas praticamente um ensaio aberto e remunerado...

Nesses termos, chegamos preparados psicologicamente para enfrentarmos a situação adversa de uma forma ainda mais tranquila, no sentido de que o fator surpresa e/ou estupefação pela reação exótica dos estudantes, não nos surpreenderia novamente.

Mas, não fugiríamos do fator surpresa em 100%, pois contrariando nossas previsões, nessa segunda apresentação, muitos alunos prestaram atenção no show, e apesar de ser um evento fechado, o rumor que a Patrulha do Espaço estava na cidade, correu por São Caetano do Sul e cidades vizinhas do ABC, e dessa maneira, alguns fãs da banda apareceram, e a direção da universidade foi simpática por liberar a sua entrada.

Enfim, foi uma apresentação bem mais animada, com quase a normalidade de um show tradicional da banda.

Sendo assim, poderíamos até comemorar o fato de que fizéramos dois ensaios abertos e remunerados no mesmo dia, numa oportunidade que surgira inesperadamente e quebrando um hiato de shows que estávamos vivendo por conta do fato de estarmos tentando resolver o impasse sobre o futuro do ônibus.

Por falar nisso, havíamos decidido não usar o ônibus nesse compromisso da universidade. Levamos nosso backline em nossos carros particulares, e havia sido um tremendo incômodo, devo registrar.

Além de estarmos num clima ruim com o motorista, nesse show em específico, estacionar o veículo seria muito complicado, por conta da ausência de um estacionamento adequado na instituição e dessa maneira, havíamos abortado essa possibilidade.

Mas não contávamos com a hipótese de um segundo show no mesmo dia, e quando isso foi acertado, resolvemos pedir apoio do motorista.

Sendo justo, ele era temperamental e turrão, havia ameaçado nos boicotar em algumas ocasiões em sinal de retaliação, mas na prática, nunca nos deixara na mão, apesar do clima desagradável entre nós.

Então, o convocamos para nos auxiliar nessa tarefa noturna e ele foi solícito, saindo de uma cidade do outro lado da região metropolitana de São Paulo, no caso, o município de Taboão da Serra, deslocando-se para São Caetano do Sul, na região do ABC, portanto, atravessando também a cidade de São Paulo para chegar à São Caetano do Sul, trocando em miúdos, acredito que percorrendo cerca de 70 Km, 140 com a volta.

Mas ele nos apoiou com sua van, só pedindo uma ajuda no combustível.

Após esse show, o desafio era resolver a dissolução da parceria com o referido motorista e tomar providências para assumirmos o veículo sozinhos, e contratar um novo motorista. O tempo urgia e shows já estavam marcados em cidades interioranas paulistas.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário