domingo, 20 de setembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 146 - Por Luiz Domingues


Depois do excelente show do "Hare", chegou a nossa vez. 

Claro que não esperávamos nenhuma comoção, pois era nítido que a casa estava lotada de um público não aficionado, e em sua maioria, formada por playboys e patricinhas locais.  
Fotos do show em Mirassol, dezembro de 2001. Acervo de Junior Muelas

Mas, os rockers presentes eram valorosos e trataram de arrumar um jeito de ficarem bem próximos do palco, garantindo atenção e acolhida boa para nós.  
Patrulha em ação em Mirassol, dezembro de 2001. Acervo de Junior Muelas
 
E foi assim que tocamos, com bastante garra, arrancando aplausos dos rockers, e despertando a atenção generalizada somente quando tocamos nossa releitura de "Ando Meio Desligado", mas claro, da parte dos incautos, reconhecendo-a como uma música do "Pato Fu", que a regravara no início dos anos 2000, e que se tornara tema de novela da Globo.

Enfim, a despeito disso, foi um show muito bom, e apesar do cansaço que era evidente pelo acúmulo de dias na estrada, tocamos com muita motivação, e saímos do palco bastante satisfeitos com a performance.
Mirassol, dezembro de 2001. Acervo de Junior Muelas

Pelo aspecto financeiro, o show de Mirassol era uma aposta na bilheteria. Como era um encaixe, voltando para a casa, encerrando a tour, era o único show que não nos preocupava, nesse sentido. 

Em Americana e Monte Alto, o cachet cobriu a despesa toda da viagem, São Carlos era uma perspectiva de engrossar a féria e surpreendeu positivamente, com Jales apresentando cachet fixo e bom, significando assim, o lucro garantido da turnê. Portanto, Mirassol seria um adendo, um reforço de caixa.

Mas, a super lotação da casa fora muito além de nossas mais otimistas projeções, e a féria engordou o nosso lucro geral de uma maneira absurda. Não citarei valores, obviamente, mas digamos que o lucro dessa tour pagou mais da metade do ônibus, e toda a despesa de oficina para transformar sua porta traseira, e promover a nova pintura do veículo.

Lembro bem do sorriso da Claudia, anunciando o sucesso financeiro da empreitada, após fechar a conta com o dono do estabelecimento. Aliás, nem o próprio dono esperava um sucesso tão grande e inebriado por esse sucesso estrondoso, já abriu perspectiva de voltarmos à casa, e de fato, isso ocorreria novamente no início de 2002.

Quanto ao carro, o nosso sócio-motorista promovera uma troca de óleo na cidade de São Carlos. Como ele mesmo quis fazer a operação, alegando que economizaria ao não levar o veículo à um posto de gasolina, tratou de comprar baldes de plástico e arrumou muitos maços de jornais velhos para não sujar o pátio onde foi feita a operação.
Guarde esse fato singelo, caro leitor...daqui a alguns capítulos adiante, você irá se lembrar do tal baldinho...

Encerrando : após o show, fizemos um lanche na loja de conveniência de um posto de gasolina próximo à saída de Mirassol, acompanhado dos amigos do "Hare", e de vários amigos deles que eram fãs da Patrulha.

Um rapaz abordou-me e me desconcertou, pois de forma surpreendente, disse ser meu fã, e que havia me visto tocar com o Língua de Trapo em São José do Rio Preto, no ano de 1984 !! O rapaz aparentava ser jovem, e portanto devia ser criança ou no máximo pré-adolescente naquele ano...


Ele descreveu com detalhes o show e até particularidades sobre o equipamento de palco que usamos na ocasião, comprovando que fora mesmo...mundo pequeno !

Nos despedindo dos amigos, tomamos o rumo à São Paulo. 

Eram mais de 4:00 h da manhã do dia 31 de dezembro de 2001. 

O ano de 2001 estava se encerrando, e o fecháramos com uma turnê de shows consecutivos, o sonho de qualquer artista, independente de seu espectro.

Não éramos os Rolling Stones, fazendo tours gloriosas e plenas de cachets milionários e mordomias, mas estávamos felizes por estar na estrada e fazendo nosso som.

O resultado financeiro da tour fora acima das expectativas, e vendemos discos nos shows e nas lojas locais. Muitas matérias foram publicadas nos jornais interioranos, também.

Enfim, apesar das dificuldades inerentes, estávamos com a sensação de vitória nessa viagem de volta à São Paulo.

Já tínhamos perspectivas de outras mini-tours para o início de 2002, e queríamos enfim, acelerar o processo para lançar o novo álbum que estava gravado, mas engavetado naquele instante.

Chegamos em São Paulo por volta de 11:00 h da manhã, muito cansados, mas satisfeitos, portanto. Agora era descansar e nos reagruparmos para darmos prosseguimento. 

E o próximo compromisso seria logo no dia 5 de janeiro de 2002, na cidade de São Roque, interior de São Paulo, e tem história maluca para contar...

Finalmente, faltou dizer que o show em Mirassol ocorreu na casa "Planet Beer", no dia 30 de dezembro de 2001, um domingo. O público presente nessa noite, foi de cerca de 400 pagantes.

Próxima parada: São Roque, em 2002 !

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário