domingo, 27 de setembro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 33 - Por Luiz Domingues

Animados com a exibição do clip de "O Dito Popular" no Canal Multishow, e a crescente exibição na Rede NGT, entramos em janeiro de 2006 com a perspectiva da finalização da mixagem do nosso primeiro CD. Apesar de ter sido muito demorado por conta da escassez de oportunidades na agenda do produtor Renato Carneiro, sem dúvida que o resultado sonoro compensava a demora, pois estava ficando com uma qualidade incrível de timbres e pressão sonora, num volume quase compatível com produções caras, de artistas mainstream. Tivemos no disco, a presença de dois músicos convidados que em sessões diferentes e ocorridas em 2005, abrilhantaram o trabalho do Pedra.

O percussionista Caio Inácio, com parte de seu arsenal de instrumentos, no dia da gravação da percussão

O primeiro foi o Caio Inácio, percussionista que o Rodrigo conhecia da noite paulistana. Ele foi bastante criativo em suas intervenções. Toda a "Escola de Samba" que aparece no final da música "Me Chama na Hora", foi tocada só por ele, criando a batucada na hora, e arranjando-a com bastante propriedade.

Eu, Luiz Domingues, conversando com o percussionista Caio Inácio, no dia da gravação da percussão. Foto : Grace Lagôa

Uma pequena e sutil, porém bonita intervenção na música "Amanhã de Sonho" também foi uma contribuição dele, com um singelo sino cerimonial.

                             O trompetista, Robson Luis

E outro músico acabou dando-nos uma ajuda boa : Robson Luis, um trompetista que tocou no trecho final da música "Misturo Tudo e Aplico", onde a canção assume ares de música mexicana e com o trompete, ficou mesmo acentuada essa intervenção, com jeito de "Mariache de Guadalajara". 

O nosso convidado, Robson Luiz, gravando o trompete em "Misturo Tudo e Aplico"

E como ele fez um arranjo com várias vozes abertas em harmonia, dá a impressão de vários trompetistas tocando juntos, contribuindo para que a música fosse registrada com um final espetacular e muito inusitado, certamente surpreendendo Rockers mais radicais que esperavam um disco centrado no Hard-Rock tradicional.

Confraternizando após a sessão de gravação do trompete. Da esquerda para a direita : Robson Luiz; Xando Zupo, e Rodrigo Hid

O Robson tocava numa banda famosa na noite paulistana, chamada "Quasímodo", especializada em Disco Music dos anos 1970. E o Caio Inácio, era um músico requisitado como side man de diversos artistas de diferentes vertentes.

Caio Inácio e Renato Carneiro na sessão de gravação da percussão no disco Pedra I

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário