quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 165 - Por Luiz Domingues


Num arranjo bem fraternal, economizamos uma boa grana que gastaríamos com hotel, nos hospedando no amplo apartamento do baterista da banda "Os Arnaldos", que faria a abertura do show da Patrulha. Solícito ao extremo, foi um anfitrião muitíssimo hospitaleiro, nos deixando muito à vontade. O produtor do show, inclusive, era o vocalista da banda.

Onde ele morava, ficava muito perto de uma casa de shows underground, mas bem falada da cena gaúcha, onde diversas bandas off-mainstream costumavam se apresentar ("Garagem Hermética"). 


Na porta de tal estabelecimento, vimos dois freaks, que estavam vestidos como se estivessem na Swinging London dos anos sessenta. 

Achamos incrível avistarmos figuras assim e melhor ainda foi que eles nos reconheceram e nos abordaram com bastante simpatia.

Eram dois membros da banda "Cachorro Grande", que naquela ocasião ainda não tinham nem 10 % da fama que conseguiram construir no futuro próximo. Naquele instante, eram ainda artistas do underground, mas eu reconheci o baterista, porque me lembrei dele em fotos da banda Júpiter Maçã, onde ele atuava anteriormente, no final dos anos noventa. O outro rapaz era o vocalista, e já usava o seu famoso boné estilo sixties, que é sua marca registrada.

Simpáticos, ficaram contentes em nos ver, e claro que os convidamos para o show da noite e eles acabaram indo, inclusive levando os outros membros da banda.

Eu e Júnior fomos dar uma volta na Avenida Independência, a seguir, e achamos uma loja de instrumentos interessante. 


Entramos e ficamos felizes por ver que havia um cartaz de nosso show em exibição no quadro de avisos. O dono nos recebeu com bastante empolgação, e ainda fomos abordados por um casal de paranaenses que nos reconheceu por ter lido a enorme matéria de página inteira que havia saído nos dois jornais da cidade de Londrina, por ocasião de nosso show nesse município paranaense, bem no início daquele mesmo mês.

Rockers gostam de fazer ligações "mágicas" nessas horas, e claro que brincamos que eram muitos sinais positivos acontecendo para um dia só.

Ao final da tarde, tínhamos mais um compromisso televisivo. Seria uma rápida inserção ao vivo num programa de variedades da TVE gaúcha. Eu no entanto, sucumbi ao cansaço, e fiquei no apartamento onde nos hospedáramos.

Os demais foram e fizeram uma inserção acústica, tocando "Céu Elétrico". 


A banda de abertura, "Os Arnaldos", tinha uma particularidade exótica : era uma banda cover exclusiva do Arnaldo Baptista !! 

Os músicos adoravam o Arnaldo e tinham no seu repertório, músicas de todas as fases da carreira do Arnaldo, o que era bastante salutar, apesar do caráter "cover" de tal empreitada. 

Um dos músicos dessa banda, era o tecladista "Astronauta Pinguim", que era bem equipado com teclados vintage e ótimo músico. Anos depois ele mudou-se para São Paulo e hoje em dia é bem famoso na cena da música eletrônica e Indie Rock, inclusive com reportagens em jornais e revistas de mídia mainstream, fora aparições na TV etc.

Chegava o momento do show com a noite avançando...



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário