domingo, 20 de setembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 135 - Por Luiz Domingues


E nessa perspectiva de ajuda fraternal, todo o apoio que recebemos foi fundamental para fazer o evento ser um sucesso. 

Não era a primeira e muito menos foi a última vez que fizemos um show nessa circunstância, ou seja, espetáculos produzidos na "raça", com apoio de fãs abnegados ou bandas locais de mesma vibe da Patrulha, e fraternalmente dispostas a fazer acontecer o sonho em suas respectivas cidades.
Foto mais recente do "Homem com Asas", se apresentando em São Paulo

Portanto, esse primeiro contato com o "Homem com Asas", na cidade de São Carlos, tornar-se-ia rotina e particularmente, guardo com muito carinho tais lembranças, não só dessa banda e de São Carlos, mas também de outras ocasiões onde isso transcorreu, e nessa mesma tour, por exemplo, relatarei outro caso, logo a seguir.

Voltando à cronologia, a passagem de som foi realizada nesses termos cooperativos. O P.A. disponibilizado não era alugado de uma empresa constituída, como geralmente acontecia, mas era o fruto do esforço dos pessoal do "Homem com Asas", mais amigos aquarianos da cidade.

Aliás, São Carlos surpreendeu-me positivamente nesse sentido, e parece que ter visto a capa do disco do Gentle Giant, estampado na camiseta de Gabriel Costa, fora mesmo o indício da vibe que a cidade nos ofereceria.

Claro, apesar de toda a camaradagem e empenho dos amigos, o equipamento disponibilizado preocupava, pois parecia bastante inadequado. Quando chegamos ao bar, achávamos que seria um palco de pequenas proporções como muitos em que nos apresentamos até então, portanto, ter um P.A. de pequenos recursos poderia quebrar o galho, mas na verdade, a instalação física da casa em questão, surpreendeu-nos.

A fachada do bar sugeria a de uma casa noturna de pequeno porte, mas adentrando-a, descobrimos que tinha uma área avantajada na parte dos fundos, como segundo ambiente. De fato, na frente funcionava um pequeno bar lounge, mas a área do show propriamente dito, era bem ampla, parecendo o ginásio de esportes de um colégio.

Nesses termos,o ideal seria alugar um P.A. profissional, mas o show fora viabilizado como um esforço de mutirão, com o objetivo de minimizar custos, visto que a casa não reunia condições de bancar um show da Patrulha do Espaço, nas condições mínimas necessárias. Portanto, o esforço para fechar a data, era um mérito do pessoal do "Homem com Asas" e dos Rockers locais, que vislumbraram na nossa ida, uma oportunidade de ouro para realizar um Concerto de Rock, como nos velhos tempos.

Então, o equipamento era um autêntico "Frankenstein", com caixas; potências, e paramétricos oriundos  de vários donos, e nem sempre uma junção maluca dessas é viável, podendo haver incompatibilidades de configurações entre diferentes aparelhos etc etc...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário