domingo, 20 de setembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 138 - Por Luiz Domingues


Apesar das dificuldades, o show foi muito bom, com momentos de euforia, até. Músicas antigas da Patrulha, dos primeiros discos eram muito saudadas, denotando que aquele público, apesar de jovem, era mesmo ligado em Rock vintage.

Quando o set list aproximava-se de seu final, notamos um clima tenso vindo de fora, e nada a ver conosco diretamente ou com o show em si, mas nos dizia respeito indiretamente. Percebemos que a produtora Claudia Fernanda estava agitada, gesticulando, e parecia tensa.

Quando o show acabou e já estávamos fora do palco (infelizmente a casa não tinha estrutura de camarins), o assédio foi grande por parte do público. Claro que era maravilhoso atender os fãs e naquele caso, eram fãs mesmo, com discos de vinil antigos da banda debaixo do braço para caçar autógrafos etc etc. Mas, diante de um assédio assim, ficamos atordoados para saber o que havia acontecido afinal na portaria.

Contudo, a própria Claudia sinalizou nos tranquilizando, pois fosse o que fosse, já havia acalmado, e só depois tomaríamos conhecimento do ocorrido.

E assim, finalmente depois de serenizado o fluxo de fãs, tomamos consciência dos fatos. Durante o show, um grupo de três ou quatro rapazes tentou entrar na casa à força, sem pagar ingressos. No auge da discussão, se autodeclararam como "Punks do ABC", e com isso, acharam que as pessoas ficariam com medo, e os deixariam entrar gratuitamente, mas ninguém se intimidou, e pelo contrário, a polícia foi acionada e bastou uma só viatura da Polícia Militar aparecer, para os arruaceiros descerem a Avenida São Carlos em frenética disparada.

Ameaçaram voltar com reforços e que hostilizariam a banda, o que nos deixou apreensivos por ficar na calada da noite, carregando o ônibus e de-repente tal promessa ser cumprida, mas o próprio pessoal de São Carlos nos tranquilizou, dizendo-nos que isso não aconteceria, pois aqueles vagabundos eram conhecidos de todos, e que não haveria "volta com reforços". Era um grupelho de baderneiros locais, com os quais todos estavam acostumados e que só gostavam de ameaçar com bravatas.

E usavam essa alcunha de serem punks do ABC para amedrontar, visto que tal gang é famosa nacionalmente, mas eles provavelmente nem sabiam onde ficava a região metropolitana do ABC...

O último ato da noite, aliás madrugada, foi carregar o equipamento para o ônibus e nessa hora tivemos um micro stress. O Carvalhanas, na ânsia de querer mostrar eficiência como road manager, exagerou no rigor com os roadies, Samuca e Ruiter. Tivemos que contemporizar, e na manhã seguinte, com todo mundo de cabeça fria, tudo voltou ao normal.

Tirando esses pequenos acontecimentos mais pesados, foi uma noite muito boa. Era o segundo show da turnê e a banda estava afiadíssima no palco. O contato com os fãs estava excelente, já tínhamos matérias de jornais para engrossar o portfólio, e as notícias que tínhamos sobre a produção local dos três shows que faríamos nos dias posteriores, eram muito animadoras.

Fomos dormir contentes com o dia produtivo. Era o dia 27 de dezembro de 2001, e nessa quinta feira, tocamos no "Planet Z", de São Carlos. 

Cerca de 400 pessoas passaram pela bilheteria e ao contrário do show de Americana, na noite anterior, haviam muitos fãs da banda no recinto.

No dia seguinte, sexta, o destino seria Monte Alto...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário