sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Autobiografia na Música - Ciro Pessoa & Nu Descendo a Escada - Capítulo 8 - Por Luiz Domingues


Apesar de uma certa demora para a marcação de ensaios, eu estava bastante motivado para fazer parte desse trabalho, e pelo que já descrevi anteriormente, acho que meus argumentos já foram suficientes para o leitor identificar as minhas razões.

Havia uma certa expectativa de minha parte, no entanto, em relação aos demais integrantes da banda. Sabia que o Ciro renovara a banda completamente e com isso, estava afastando a hipótese de trabalhar com músicos oriundos da cena do Pós-Punk oitentista, fator primordial para a sua proposta estética / sonora ser melhor lapidada.

O Kim também tinha essa expectativa, e só fomos conhecer os demais componentes, posteriormente, no dia do primeiro ensaio oficial.

A única pessoa que permaneceria na banda, seria a vocalista Luciana Andrade, que revelou-se para mim, uma grata surpresa, quando começamos a interagir de fato, nos ensaios elétricos. Falo disso depois.

Em casa, ouvindo as canções, cheguei à conclusão de que elas soariam muito bem se eu usasse um baixo Rickembacker, buscando aqueles agudos que só o RK proporciona.

Poderia optar pelo Fender Precision, também e seria ótimo. Mas decidi apostar na sonoridade do Roger Waters nos primeiros tempos do Pink Floyd, ao seu som clássico de Fender Precision, que adotou depois que o Syd Barrett saiu da banda.

E quando os ensaios começaram de fato, todos elogiaram a minha escolha, incluso o Ciro.


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário