terça-feira, 18 de agosto de 2015

Autobiografia na Música - A Chave / The Key - Capítulo 26 - Por Luiz Domingues


Nessa altura, o meu ânimo que nunca foi grande com essa banda e esse som, sobretudo, estava ainda mais baixo.

Não tinha nada contra ninguém pessoalmente, e pelo contrário, achava todos pessoas de bem, sob todos os aspectos. E era grato ao Beto pelo seu esforço descomunal em manter tudo isso funcionando, e sem dúvida, era seu grande mérito ter tirado essa banda da cartola quando ficamos numa situação dificílima no final de 1987.

Mas a estética me desagradava inteiramente, numa oposição sistemática aos primeiros e tímidos sinais que começariam a impulsionar-me na direção diametralmente oposta. Cansado das adversidades hostis da década de oitenta, comecei a perceber que havia uma chance de se buscar uma reciclagem no que eu realmente amava, e assim, uma semente pequenina começou a germinar na minha mente, levando-me de volta às décadas de sessenta e setenta.

Tudo o que ocorreu depois desse início de retomada de posição, mais ou menos em 1988, foi crescendo e nos capítulos sobre os meus trabalhos avulsos, está contado a partir de 1990, assim como toda a trajetória do Pitbulls on Crack que só fez tal sentimento crescer, para explodir na trajetória do Sidharta, a partir de 1997, e posterior concretização desse sonho de resgate retrô, com a Patrulha do Espaço no pós 1999.

Mas é importante assinalar : foi em 1988 que tal semente inicial começou a me fazer sonhar novamente, resgatando meus ideais Rockers sedimentados nos anos 70, quando iniciei minha trajetória na música.

Portanto, é preciso esclarecer que o surgimento de uma pequenina semente, não faz com que o semeador possa se animar, verdadeiramente e nesse caso, eu ainda não achava possível tal resgate, e pelo contrário, ainda vivia sob o sentimento amargo de que tudo o que amava havia sido destruído pela deflagração da bomba Punk e seus derivados radioativos posteriores.

Resignado em viver num mundo sombrio, cinzento e sem Jimi Hendrix; Beatles e ecos Woodstockianos, estava acostumado com a desolação oitentista que fazia com que o cenário parecesse o set de filmagem de Blade Runner, com seus famigerados "Cyber Punks" e sua indecente rudeza e agressividade gratuita.

Portanto, se o som dessa banda era estupidamente oitentista sob o prisma do Hard-Rock virtuosístico, era óbvio que eu me sentisse contrariado. Eu queria mais é voltar para o The Who; Beatles e Rolling Stones, e não mergulhar em Yngwie Malmsteen e seus congêneres.

Alheios à esses conflitos internos, os colegas nada tinham a ver com tais anseios meus, e naquela momento, eu não tinha nem meios de sair e ir buscar o meu caminho e a minha verdade, mas seria por pouco tempo, no entanto.

Estávamos entrando em outubro de 1988, e em menos de um ano, tal resolução seria concretizada, enfim.
Matéria que escrevi para a Revista Rock Brigade, a convite de seu editor, Antonio D. Pirani, falando sobre baixo e baixistas. Meu foco era a velha guarda, naturalmente, mas claro que citei exemplos oitentistas pela preocupação em não ser anacrônico e principalmente nas páginas de uma revista que era focada no mundo do Heavy-Metal, prioritariamente

Daqui em diante, só fui ficando na banda para não deixar meus amigos na mão, principalmente o Beto, com o qual tinha uma dívida moral por tudo o que ele fez para manter essa banda de pé, e o mínimo que eu poderia fazer nessa altura, era lhe dar o suporte que precisava para chegarmos pelo menos na gravação de um álbum, e pelo desencadear dos acontecimentos, estávamos perto de realizarmos tal feito.


Continua... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário