terça-feira, 18 de agosto de 2015

Autobiografia na Música - A Chave / The Key - capítulo 31 - Por Luiz Domingues


Um acordo alinhavado em 1987, em favor da velha Chave do Sol, tomou contornos de ajuste, tardiamente, e por vias tortas...

Conforme já contei nos capítulos sobre A Chave do Sol, o Beto Cruz havia fechado um patrocínio com uma luthieria que estava entrando no mercado, chamada "Vintage", para o LP The Key, que lançamos em 1987.

Porém, muitos acontecimentos fizeram com que tudo mudasse de figura, pois o combinado inicialmente não se confirmou. 

Resumindo : os instrumentos prometidos não saíram da forma combinada, mas apenas o baixo tinha tal perspectiva de ser entregue, e pelo fato de que eu pessoalmente pressionei (educadamente, é claro), o luthier nesse sentido. E outro fato, após quase dois anos de espera, o rapaz em questão entregou o meu instrumento para outro luthier finalizá-lo, portanto, quando o recebi por volta de julho de 1989, ele estava com outra marca no seu headstock (a chamada "cabeça" do instrumento, onde ficam as tarraxas), e assim, o patrocínio estava inviabilizado, tecnicamente falando, mas não por minha / nossa culpa...

Mas agora, na iminência de poder contar enfim com esse baixo, o Beto agilizou um acordo com a revista Rock Brigade, e a luthieria Tajima, e assim, uma propaganda saiu nessa referida revista, dando conta de que éramos patrocinados por tal luthieria.

Foto de Carlos Muniz Ventura, meu amigo fotógrafo, e coincidentemente, amigo do Luthier, Seizi Tajima, também

Era uma propaganda meio capenga, pois não se tratava de um patrocínio oficial e por tudo o que esclareci acima e também nos capítulos da Chave do Sol, o que valeu mesmo, além do meu baixo ter sido finalizado e entregue enfim, foi o fato da propaganda em si ter dado uma "colher de chá na nossa divulgação"

Essa foi a primeira e única vez em toda a minha carreira, que tive uma menção de patrocínio, ou "endorse" como se diz no jargão, pois nunca mais fui sondado por nenhum fabricante de nada que se relaciona a equipamentos e acessórios, para tal disposição e nunca procurei ninguém, também.

Conheço muitos colegas que tem muitos patrocinadores, mas eu nunca me preocupei com isso, e sei que já fui criticado por tal postura de suposto "desprendimento", mas não é o caso. 

Se procurado, poderia até analisar a proposta, mas particularmente, eu nunca corri atrás disso, pois não gosto da ideia de ter que ficar vendendo a alma para ter um punhado de palhetas ou um joguinho de cordas gratuito a cada "X" tempo. Quando preciso, vou na loja, compro, e não tenho o rabo preso com ninguém.

E também jamais usaria a postura de alguns colegas que tapam marcas em instrumentos e equipamentos com fita isolante, para "não dar colher de chá em fotos e /ou filmagens", para fabricantes que não lhes "dão nada de graça".

Ora, uso Fender; Rickembacker; Ampeg...e não espero que tais indústrias me "paguem" por eu usar seus produtos. Abomino a ideia da mesquinharia absoluta, que transforma a cabeça de alguns colegas numa ganância sem limites, mais se portando como pilotos de F1, com dúzias de patrocínios em seus macacões.

Foi essa portanto a história da Chave fazendo propaganda da Luthieria "Tajima" nas páginas da revista Rock Brigade.


Continua...     

Nenhum comentário:

Postar um comentário