quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 106 - Por Luiz Domingues

Nesses termos, após a realização desse show, o agente Marco Carvalhanas querendo mostrar serviço, aventou-nos uma perspectiva de show em curto prazo, animando-nos, todavia, mais que isso, estava demonstrando estar motivado e era tudo o que precisávamos, pois a falta de alguém que cuidasse do nosso gerencial era o nosso "calcanhar de Aquiles". A casa em questão era um estabelecimento com tradição, mas que tinha tido seu auge como casa noturna muitos anos atrás. 

Quando tinha outro nome ("Blue Note Jazz Bar"), teve seu auge como casa especializada no universo do Blues e do Jazz, tendo sido até protagonista de shows internacionais. Mas o tempo passou, a casa caiu em decadência, mudou de nome e dono, e agora estava em condições bem menos glamorosas e não fechada no nicho de Blues, abrindo suas portas para gêneros musicais díspares, sem estabelecer uma identidade.
Apesar dessa constatação, a estrutura ainda era digna e ponderando, resolvemos arriscar, pois estávamos numa fase de poucas apresentações e sendo assim, não teríamos nada a perder. Agora, a casa chamava-se "Mr. Blues" e dessa forma, preparamo-nos para tal apresentação, animados com os esforços que o Carvalhanas estava fazendo para agendar outras casas noturnas da cidade, dando-nos a impressão de que faríamos uma sequência boa nesse circuito de casas paulistanas.
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário