quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 107 - Por Luiz Domingues


Pelo fato do ano de 2007 estar difícil para a banda em termos de oportunidades de shows, quando anunciamos essa nova data, uma boa expectativa foi criada. Claro que não era nossa culpa, mas vivíamos uma época difícil, com espaços escassos para a música autoral, e numa situação muito diferente de tempos de outrora. Nas décadas de setenta e oitenta, por exemplo, quem militava na música não poderia imaginar que chegaria uma época onde os espaços seriam exíguos para artistas autorais. Mas essa época chegou e foi no Pedra, onde tive essa experiência angustiante, acentuada. O Carvalhanas estava a mil por hora levando o nosso material para diversas casas noturnas da cidade, mas era uma luta convencer seus mandatários de que valia a pena abrir suas portas para uma banda autoral e não ligada à cena "indie".

Essa tarefa não era nada fácil, pois em sua maioria, tais casas só investiam no mundo viciado das bandas cover, e as poucas que dignavam-se a abrir suas portas para bandas autorais, estavam fechadas no nicho do "Indie Rock", onde o Pedra era um verdadeiro alienígena. Dessa forma, claro que vibramos com a oportunidade de tocar no "Mr. Blues", ainda que não fosse uma casa das mais adequadas e pior ainda, vivendo dias de decadência, muito diferente dos seus melhores dias sob outra direção e nome, quando chamava-se "Blue Note", e era um dos maiores pontos de Blues & Jazz da cidade de São Paulo.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário