quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 95 - Por Luiz Domingues

Outras canções que surgiram, foram "Letras Miúdas" e "Saiu de Férias". Em "Letras Miúdas", de minha parte, criei um fraseado bem no estilo do John Entwistle, logo na introdução da música. Confesso que gosto muito dessa intervenção contundente logo de início, pois a queda brusca que faço, assim que a melodia começa, dá um efeito dinâmico muito bacana, e ao vivo, isso acentuava-se ainda mais. A letra é muito boa, e as partes "B" e "C"  são muito interessantes por trazerem influências legais de Hard-Rock. Na minha avaliação, a parte "B" é puro "West, Bruce & Laing". 


E na "C", a lembrança do "Uriah Heep" em "The Magician's Birthday", é grande na minha percepção, principalmente pelas semelhanças harmônicas e claro, pela intervenção do Slide. No caso de "Saiu de Férias", o riff inicial foi uma ideia que levei à banda, com a influência do "Free", num riff  bem Blues-Rock.


Levei também uma segunda parte que queria que soasse "British Invasion' 64", bem com o estilo do "The Kinks".

O Xando incorporou uma parte "C" muito interessante, absolutamente "Led Zeppelin", e dessa forma a música tornou-se bastante atraente, ainda que minha intenção inicial fosse que ela soasse mais "sixties". Contudo, a letra que ele escreveu, apesar da contundência da sua temática, praticamente estigmatizou a música como algo meio panfletário e confesso, não era o que desejava para ela.

Como o Xando tem uma personalidade forte, e ficou empolgado com o rumo que a letra adotou doravante, acabou sendo gravada nesses moldes, dando alfinetadas nas religiões, exploração da fé das pessoas humildes, e nas superstições decorrentes dessa exploração.
O tema é bom; a tomada de posição é interessante; e eu compactuo com tais visões em linhas gerais, mas por ser sujeita à má interpretação, tornou-se um fardo verificar que teríamos que invariavelmente, "explicá-la"...

Algum tempo depois que o CD foi lançado, uma pessoa perguntou-me se éramos "contra" os evangélicos, por conta dessa música. Claro que não, mas assim como ela ofendera-se achando isso, creio que a música poderia gerar esse questionamento para qualquer religioso, e não só os evangélicos a vestir tal carapuça. Se entendida dessa forma, ofenderia budistas; kardecistas; islamitas; cristãos em geral; judeus etc etc...

E pelo lado artístico, só pelo simples fato dessa dubiedade gerar tal tipo de controvérsia, é claro que já tornou a canção um fardo para a banda, no sentido de que explicar não é função do artista, mas nesse caso, não justificar poderia render antipatias irremediáveis.
Pouco tempo depois, o Xando não desejou incluí-la mais no set list dos shows. Creio ter arrependido-se das colocações feitas, ainda que saibamos que não trata-se de ataques às instituições religiosas, tampouco contra a fé das pessoas. Mas sem dúvida que sua empolgação e teimosia pela manutenção de tal letra como definitiva para a conclusão no disco, ocasionou a sua condenação ao limbo. Lamento, pois a parte musical é muito legal. Complementando, a voz grave, estilo "Ike Turner", nos backing vocals, é minha. Apreciei muito gravar e cantar ao vivo, ainda que em poucas ocasiões.


O áudio de "Letras Miúdas", do disco :


Eis o Link para escutar no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=HsBqUyoWwaI


O áudio de "Saiu de Férias", do disco :


Eis o Link para escutar no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=YpLtTFxCQk0




Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário