domingo, 6 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 252 - Por Luiz Domingues



Após esse raiar do sol lúdico na praia deserta, e apesar do vento forte que ali fazia, deu para descansarmos bastante, e com compromisso na mesma cidade, tudo ficava mais ameno, visto que encarar estrada dia após dia, é que efetivamente nos cansava em demasia.

Fomos para o "Drakkar", uma casa noturna localizada no centrinho nervoso da Lagôa da Conceição, portanto ali mesmo daquele lado da Ilha, com muita tranquilidade e rapidez.  

Montamos o backline da banda no palco tímido da casa, mas isso também não nos causava grandes transtornos, pois há anos estávamos acostumados a lidar com todo tipo de palco, dos grandes de teatros, aos minúsculos, de pequenas casas noturnas.

A casa era bem montada, mas bem diferente da ambientação mais fina do "Matisse", onde tocáramos na noite anterior. Mais Rock, parecia mais aberta a abraçar um show de Rock, e de fato, assim transcorreu.

Após o soundcheck, resolvemos voltar ao hotel só para tomar banho, pois no entorno do Drakkar haviam muitos restaurantes, alguns charmosos até, com muitos turistas etc etc. Portanto, voltamos para jantar e já ficarmos por ali mesmo, aguardando a hora do show.

Foi nesse momento pós jantar e pré show que eu e Marcello nos sentamos na porta do bar em mesinhas que ficavam de fora da casa, e vimos que um rapaz cabeludo, parou, ficou olhando o cartaz, e o vimos perguntando ao porteiro da casa, se éramos mesmo a "Patrulha do Arnaldo Baptista", ou uma banda cover / Tributo. Foi quando eu o reconheci. Era Ricardo Graça Melo, ator e cantor, filho da atriz Marília Pêra, e do produtor de TV, Guto Graça Mello, famoso nos anos setenta e oitenta por ter estrelado filmes ("Menino do Rio"), e novelas.

Levantei-me e fui falar com ele, convidando-o a vir mais tarde para assistir o show, mas ele não apareceu... 

Perdeu um dos shows mais energéticos que fizemos em 2003, pois nossa performance no Drakkar foi alucinante, com um público quente, com muitos fãs da banda e canja de Luiz Carlini e Helena T., que estavam na cidade e foram participar do show.

Saímos do palco inteiramente suados e satisfeitos com o resultado sonoro e o calor do público que delirou. Uma tremenda lembrança que guardo com carinho.

Aconteceu em 3 de maio de2003, no Drakkar de Florianópolis, com cerca de 80 pessoas na plateia.

Dois shows em outras cidades haviam sido cancelados, e com essa falta de apresentações em Vacaria e Novo Hamburgo, ficamos com um hiato até o próximo compromisso : Porto Alegre.

Portanto, esticamos mais um dia em Florianópolis, curtindo o hotel a extrema proximidade entre o mar e as dunas.

E no meio da tarde, partimos para Porto Alegre, onde faríamos duas noites numa casa onde muitas histórias foram geradas.

Continua...  

Nenhum comentário:

Postar um comentário