terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Ciro Pessoa & Nu Descendo a Escada - Capítulo 29 - Por Luiz Domingues



Mediante E-mail recebido do Ciro, soube que ele solicitava que eu e Kim musicássemos dois textos de sua autoria. 

Um deles seria a introdução do novo show. 

Ambos eram louquíssimos, bastante influenciados pela literatura Beatnick, e evocando imagens fantásticas, sob surrealismo total.

O Kim criou um tema de climas incríveis, numa sequência de acordes que trazia uma melancolia soturna, porém com uma doçura subliminar e dramática. Nos ensaios, ficamos muito animados com o resultado, pois mesmo sendo um tema esvoaçante, sem pulsação definida, e com o baixo e a bateria só fazendo efeitos, praticamente, ficou muito bonito, emoldurando de maneira muito efusiva a locução performática que o Ciro desejava para esse início de show.

Indo além, tal tema caiu como uma luva para ser o início de show, e em se considerando que o Ciro planejava uma entrada em cena evocando René Magritte, ficou realmente esplêndido. 

Tal tema inicial recebeu  título de "Evacuando Ideias na Selva do Improvável", e apesar de um certo tom escatológico que possa denotar, tal nome queria expressar mais o sentido da catarse do que qualquer outra coisa, evidentemente.

No meu caso, a incumbência que ele me passara fora semelhante. Tratava-se de um outro texto bruto, ao estilo Beatnick, denominada "As Nuvens Enjauladas do Zoo".

Pensei inicialmente em um tema sob looping, trazendo uma certa lembrança do The Doors, ou algo estritamente psicodélico, no estilo meio jazzístico do Love.

Contudo, no primeiro ensaio que fizemos, visando o show do Sesc Piracicaba, a ideia ganhou outro contorno, não muito diferente do que eu imaginei inicialmente, mas mais "tenso", eu diria...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário