quinta-feira, 18 de junho de 2015

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 300 - Por Luiz Domingues


Simultaneamente à essa negociação, o telefone não parava de tocar e o nosso "momentum", fruto de quatro anos de trabalho árduo, era ótimo. 

Portanto, assinar com o escritório poderia ser o fator catalisador de nossa ascensão definitivo ao patamar mainstream, pois acreditávamos que o escritório não só saberia aproveitar as oportunidades que gerávamos espontaneamente, mas seu poder de fogo se somaria a isso, para acelerar o processo. Isso nos animava muito para aceitar a associação com o "Studio V".

Mas por outro lado, as coisas acontecendo diretamente em nossa vida, sem a ação de um empresário, não poderiam parar, é claro. E sendo assim, a agenda tinha prevista para nós, muitos shows, e contatos na mídia, sem nenhuma interferência da parte deles, e claro que cumprimos tudo, independente do acerto com tal escritório 


O que não poderíamos imaginar, é que esse seria o começo do fim da nossa banda, num caso extraordinário de reversão completa da energia gerada, como se os polos tivessem sido brutalmente invertidos, numa inversão de spins. Quem conhece física, sabe do que estou dizendo.

Enfim, tenho muito a relatar sobre esse imbróglio, mas claro que na época, jamais poderíamos conceber tal desfecho terrível, e diametralmente oposto aos sinais que tínhamos. 


Ou seja, nessa fase, éramos pura euforia pelo momentum excelente que vivíamos, sobretudo pela perspectiva de entrarmos numa fase ainda melhor. 

A sensação que tínhamos era nítida de estarmos muito próximos de um voo alto. E o fato do "Studio V" ter nos procurado e não o contrário, dava-nos a impressão inequívoca de que as portas se abririam, enfim.

Esse combustível de euforia que foi gerada, foi ironicamente o que nos minou internamente, meses depois. Ainda tenho muito o que relatar para chegar lá, no entanto.

Por enquanto, devo relatar apenas que a euforia norteou os últimos meses de 1986, e isso gerou um bom número de histórias que contarei, certamente.


E antes de avançar, registro que fomos ao "Balancê", programa da Rádio Excelsior/Globo AM, onde éramos habitues de 1984. Desta feita, no dia 26 de agosto de 1986, o objetivo foi divulgar o próximo show que faríamos, dali a três dias, no Centro Cultural São Paulo, um local nobre de shows em São Paulo, e que curiosamente nunca havia nos dado oportunidade anteriormente. Bem, sempre há uma primeira vez para tudo...


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário